Desafios dos coordenadores pedagógicos de São Caetano do Sul, ABC Paulista: um estudo baseado na pesquisa-ação colaborativa

Palavras-chave: coordenador pedagógico, gestão democrática, pesquisa-ação, qualidade social da educação.

Resumo

Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa-ação realizada no município de São Caetano do Sul, com o objetivo de fortalecer a gestão democrática da escola em prol da qualidade social da educação. Discute os desafios do trabalho do coordenador pedagógico no contexto das políticas regulatórias do estado. Conclui que é necessário e possível abrir espaços de diálogo e participação dos docentes na tomada de decisões sobre os rumos da escola.

Biografia do Autor

Vanessa Maria Vicente Umemura, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul, São Paulo
Pedagoga e mestre em Educação pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Professora de Educação Infantil e do Ensino Fundamental. Assistente de direção na rede municipal de ensino de São Caetano do Sul. Entre 2014 e 2017, atuou como coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental II.
Sanny Silva da Rosa, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul, São Paulo
Doutora em Educação (Currículo) pela PUC-SP; pós-doutoramento em Políticas Educacionais pelo Instituto de Educação da Universidade de Londres, Reino Unido (2010-2011), com supervisão do pesquisador e professor Stephen J. Ball. Docente e pesquisadora do Mestrado Profissional em Educação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).

Referências

AGUIAR, Wanda Maria Junqueira de; OZELLA, Sergio. Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 94, n. 236, p. 299-322, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbeped/v94n236/15.pdf >Acesso em: 23 mar. 2018

ANDERSON, Gary. Privatizando subjetividades: como a Nova Gestão Pública (NGP) está criando um “novo” profissional da educação. RBPAE – Revista Brasileira de Política e Administração na Educação, v. 33, n. 3, p. 593-626, set./dez. 2017.

ARENDT, Hanna. A Condição Humana. Trad. de Roberto Raposo, posfácio Celso Lafer. 10. Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

ARROYO, Miguel G. Administração da educação, poder e participação. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 1, n. 2, p. 36-46, 1979.

BALL, Stephen J. Global education Inc.: new policy networks and the neo-liberal imaginary. London & New York: Routledge, 2012.

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-64, set./dez. 2005.

BONAMINO, Alicia; SOUSA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-88, abr./jun. 2012.

CARR, Wilfred; KEMMIN, Stephen. Teoría crítica de la enseñanza: la investigación-acción en la formación del profesorado. Barcelona: Ediciones Martines Roca, 1988.

FÉLIX, Maria de Fátima Costa. Administração escolar: um problema educativo ou empresarial? São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1984.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 35, n. 129, p. 1085-114, out./dez. 2014.

FREITAS, Luiz Carlos. Eliminação adiada: o caso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 100, p. 965-87, out. 2007.

FUNDAÇÃO SEADE. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Portal de Estatísticas do Estado de São Paulo, s.d. Disponível em: https://www.seade.gov.br.

GARCIA, Paulo Sérgio; PREARO, Leandro Campi; ROMERO, Maria do Carmo; BASSI, Marcos Sidnei. Formação, atuação e formas de gestão dos diretores de escola da Região do ABC. In: GARCIA, Paulo Sérgio; PREARO, Leandro (Org.). Avaliação da educação escolar no Grande ABC Paulista: primeiras aproximações. São Paulo: Plêiade, 2015. p. 149-81.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli E. D. Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: Unesco, 2011. p. 31-48. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002121/212183por.pdf . Acesso em: maio 2016.

GÓMEZ PÉREZ, Ángel I. La cultura escolar en la sociedad neoliberal. Madrid: Ediciones Morata, 1998.

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro, 2008.

MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa. Currículo e gestão: propondo uma parceria. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 80, p. 547-62, set. 2013.

NÓVOA, António. Imagens do futuro presente. Lisboa, Portugal: Educa, 2009.

PARO, Vitor Henrique. Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Ática, 2016.

PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza; ALMEIDA, Laurinda Ramalho (Org.). O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

ROSA, Sanny Silva. Reformas educacionais e pesquisa: as políticas “em cena” no Brasil e na Inglaterra. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 1-28, ago. 2012.

SILVA, Maria Abádia da. Qualidade social da educação pública: algumas aproximações. Cadernos CEDES, v. 29, n. 78, p. 216-26, maio/ago. 2009.

SOLIGO, Valdecir. Possibilidades e desafios das avaliações em larga escala da educação básica na gestão escolar. Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, n. 9, 2010. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9275/6152. Acesso em: 23 mar. 2018.

VIDAL, Eloisa Maia; VIEIRA, Sofia Lerche. Gestão educacional e resultados no Ideb: um estudo de caso em dez municípios cearenses. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 22, n. 50, p. 419-34, set./dez. 2011.

ZEICHNER, Kenneth M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa, Portugal: Educa, 1993.

Publicado
2020-01-28