O estudo da felicidade relacionada à política pública: uma análise bibliométrica

Palavras-chave: felicidade, políticas públicas, bibliometria.

Resumo

Neste artigo, pretendemos identificar a produção científica que relaciona os temas felicidade e políticas públicas, através do Portal de Periódicos da CAPES, por uma análise bibliométrica. A metodologia possui característica quantitativa, descritiva, documental e bibliográfica. Concluímos que há oportunidade de um maior investimento dos pesquisadores para que os temas sejam estudados e discutidos, fornecendo subsídios para implementação de políticas públicas de impacto positivo na qualidade de felicidade das populações.

Biografia do Autor

Angela Schneider, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

Graduação em Enfermagem pela Faculdade de Pato Branco (2012), especialização em Auditoria em Sistemas de Saúde pela AVM Faculdades integradas (2015). Atualmente cursando mestrado profissional em Gestão de Políticas Públicas pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI).

Maria Glória Dittrich, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)
Doutora em Teologia pela Escola Superior de Teologia. Mestre em Educação pela Fundação Universidade Regional de Blumenau. Graduada em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque. Professora titular e pesquisadora da Universidade do Vale do Itajaí no Programa de Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas e no Curso de Graduação em Enfermagem
Marco Antonio Harms Dias, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI.
Doutor em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Relações Econômicas e Sociais Internacionais pela Universidade do Minho, revalidado pela UnB. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade do Vale do Itajaí. Professor titular da Universidade do Vale do Itajaí, onde leciona disciplinas na área de Gestão na graduação, nos cursos de Relações Internacionais e Engenharia de Produção e no Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas.

Referências

ARAÚJO, Carlos Alberto. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, jan./jun. 2006. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/16. Acesso em: 7 set. 2017.

ARAÚJO, Ronaldo Ferreira; ALVARENGA, Lidia. A bibliometria na pesquisa científica da pós-graduação brasileira de 1987 a 2007. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 16, n. 31, p. 51-70, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2011v16n31p51. Acesso em: 19 set. 2017.

ARISTÓTELES. A política. 12. ed. São Paulo: Ícone, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BERNARDINO, Maria Cleide Rodrigues; CAVALCANTE, Raphael da Silva. Análise de citações dos artigos da revista Ciência da Informação no período de 2000-2009. Em Questão, Porto Alegre, v. 17, n. 1 p. 253-69, jan./jun. 2011. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/18601. Acesso em: 7 set. 2017.

CARVALHO, Alysson; SALLES, Fátima; GUIMARÃES, Marilia; UDE, Walter. Políticas públicas. 1. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

DIENER, Ed. Well-Being for public policy. 2. ed. New York: Oxford, 2009.

DIENER, Ed; LUCAS, Richard E.; SCOLLON, Christie Napa. Beyond the hedonic treadmill: revising the adaptation theory of well-being. American Psychologist, v. 61, n. 4, p. 305-14, maio/jun. 2006. Disponível em: http://www.factorhappiness.at/downloads/quellen/S9_Diener.pdf. Acesso em: 4 set. 2017.

EPICURO. Carta sobre a felicidade (a Meneceu). 2. ed. São Paulo: UNESP, 2002.

FLEURY, Sonia; OUVERNEY, Assis Mafort. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. In: GIOVANELLA, L.; ESCOREL, S.; LOBATO, L. V. C.; NORONHA, J. C.; CARVALHO, A. I. (Org.). Política de saúde: uma política social. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008. p. 1-41.

FRANKL. Viktor Emil. A presença ignorada de Deus. 10. ed. São Leopoldo, RS: Sinodal; Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

GIANETTI, Eduardo. Felicidade − diálogos sobre o bem-estar na civilização. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GUATTARI Felix; ROLNIK Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

LASWELLL, Aswell H. D. Politics: who gets what, when, how. Cleveland: Meridian Books, 1958.

MAX-NEEF, Manfred A. Human scale development: conception, application and further reflections. New York: Apex Press, 1991.

MEAD, Lawrence. Public policy: vision, potential, limits. Policy Currents, v. 68, n. 3, p. 1-4, fev. 1995.

MENDES, Izabel Amélia Costa; TREVIZAN Maria Auxiliadora. Acerca da utilização do método científico nas pesquisas de Enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, Porto Alegre, v. 36, n. 1, p. 3-19, 1983. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v36n1/v36n1a03.pdf. Acesso em: 6 set. 2017.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; HARTZ, Zulmira Maria de Araújo; BUSS, Paulo Marchiori. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 7-18, 2000. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002. Acesso em: 5 set. 2017.

MORIN, Edgar. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Tradução Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MORIN, Edgar. O método 3: o conhecimento do conhecimento. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2012.

MYERS, David G.; DIENER, Ed. Who is happy? Psychological Science, v. 6, n. 1, p. 10-9, jan. 1995. Disponível em: http://www.psychology.hku.hk/ftbcstudies/refbase/docs/myers/1995/62_Myers+Diener1995.pdf. Acesso em: 5 set. 2017.

NERY, Pedro Fernando. Economia da felicidade: implicações para políticas públicas. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, out. 2014. (Texto para Discussão n. 156). Disponível em: https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/textos-para-discussao/td156. Acesso em: 1º set. 2017.

PETERS, B. Guy. American public policy. Chatham, NJ: Chatham House, 1986.

RIANI, Frederico Augusto d'Avila. Constituições programáticas, funções estatais, políticas públicas e a (in)competência do Judiciário. Sequência, Florianópolis, v. 34, n. 66, p. 137-60, jul. 2013. OI: http://dx.doi.org/10.5007/2177-7055.2013v34n66p137. Acesso em: 5 set. 2017.

RIBEIRO, José Luís Pais. A Psicologia da Saúde. In: ALVES, Railda Fernandes (Org.). Psicologia da saúde: teoria, intervenção e pesquisa [on-line]. Campina Grande, PB: EDUEPB, 2011. p. 23-64. Disponível em: http://books.scielo.org/id/z7ytj/pdf/alves-9788578791926-02.pdf. Acesso em: 20 set. 2017.

RUSSEL, Bertrand. A conquista da felicidade. Tradução Luiz Guerra. 4. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

SECCHI, Leonardo. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

SIQUEIRA, Mirlene Maria Matias; PADOVAM, Valquiria Aparecida Rossi. Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 24, n. 2, p. 201-9, abr./jun. 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722008000200010. Acesso em: 18 set. 2017.

SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003. Acesso em: 5 set. 2017.

VEENHOVEN, Ruut. Is happiness a trait? Social Indicators Research, v. 32, n. 2, p. 101-60, jun. 1994. Disponível em: https://personal.eur.nl/veenhoven/Pub1990s/94a-ab.htm. Acesso em: 18 set. 2017.

VILARTA, Roberto; GUTIERREZ, Gustavo Luis; MONTEIRO, Maria Inês (Org.). Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. 1. ed. Campinas, SP: Ipes, 2010. Disponível em: https://www.fef.unicamp.br/fef/sites/uploads/deafa/qvaf/evolucao_completo.pdf. Acesso em: 18 set. 2017.

WHITE, Ellen. G. A Ciência do bom viver: princípios para restaurar a saúde e manter o bem-estar. São Paulo: Casa, 2007. Disponível em: http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/31. Acesso em: 21 maio 2018.

Publicado
2020-01-28