A institucionalização da Economia Criativa no estado de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave: Economia criativa, políticas públicas, Mato Grosso do Sul.

Resumo

Este trabalho tem como objeto de pesquisa a Economia Criativa enquanto política pública. Seu objetivo é analisar o processo de institucionalização da Economia Criativa em Mato Grosso do Sul. O campo empírico-particular da pesquisa é constituído pela análise de documentos oficiais disponíveis no Diário Oficial do estado de Mato Grosso do Sul. Por meio da pesquisa qualitativa e através da análise documental, buscou-se levantar o estado da Economia Criativa na administração pública estadual.

Biografia do Autor

Vanessa Pancheri Teixeira, UFMS, Escola de Administração e Negócios (Mestrado Profissional), Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Aluna do Programa de Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede, da Escola de Administração e Negócios, da UFMS (PROFIAP/ESAN/UFMS). Graduada em Gestão de Políticas Públicas, pela EACH/USP. 
William Teixeira, UFMS, Faculdade de Artes, Letras e Comunicação, Campus Campo Grande
William é Bacharel em música com habilitação em violoncelo pela UNESP, Especialista em Teologia Bíblica pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação "Andrew Jumper", Mestre em música pela UNICAMP e Doutor em música pela USP. Pesquisa as relações entre a retórica e a música contemporânea a partir do referencial das neorretóricas do século XX. Seu trabalho já foi exposto em eventos nas áreas de música, teologia e análise do discurso em diversos estados do Brasil, além de Europa, Reino Unido e Estados Unidos. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
Elcio Gustavo Benini, ESAN-UFMS
Doutor em Educação. É professor Adjunto da Escola de Administração e Negócios (ESAN) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Atua no Programa de Pós-graduação stricto sensu em Administração e no mestrado profissional em Administração Pública (Profiap). Participa do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Organizações, Trabalho e Educação (GEPOTE). Tem como temas de estudo e pesquisa: Teoria crítica das Organizações; Epistemologia; Economia Solidária; Autogestão; Administração Pública; Políticas Públicas e; Trabalho e educação.

Referências

DALLA COSTA, Armando João; SOUZA-SANTOS, E. R. Economia criativa no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Economia & Tecnologia (UFPR), Curitiba, ano 7, v. 27, p. 151-9, out./dez. 2011.

DELEUZE, Gilles. Qu’est-ce que l’acte de création? Conferência dada em 17 de maio de 1987. Disponível em: http://www.lepeuplequimanque.org/acte-de-creation-gilles-deleuze.html. Acesso em: 30 out. 2017.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2010.

DE MARCHI, Leonardo. Análise do Plano da Secretaria da Economia Criativa e as transformações na relação entre Estado e cultura no Brasil. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 193-215, jun. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-58442014000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 set. 2017.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (FIRJAN). Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Firjan, 2016. Disponível em http://www.firjan.com.br/EconomiaCriativa/pages/default.aspx. Acesso em: 10 dez. 2017.

FUNDAÇÃO DE CULTURA. Políticas Públicas. Conferencista de Economia Criativa incentiva a transversalidade das pastas da SECTEI. 2015. Disponível em: http://www.fundacaodecultura.ms.gov.br/conferencista-de-economia-criativa-incentiva-a-transversalidade-das-pastas-da-sectei/. Acesso em: 10 dez. 2017.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, SP, v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun. 1995. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/12736/pesquisa-qualitativa---tipos-fundamentais. Acesso em: 3 set. 2017.

GOLDENSTEIN, Lídia. Por que economia criativa? In: SISTEMA FIRJAN. Mapeamento da Indústria Criativa. Rio de Janeiro: Firjan, 2016. Disponível em http://www.firjan.com.br/EconomiaCriativa/pages/default.aspx. Acesso em: 11 set. 2017.

HANANIA, Lilian Richieri; VLASSIS, Antonio. For a BRICS agenda on culture and the Creative Economy. In: NEUWIRTH, R. J. et al. (Org.). The BRICS-Lawyers' Guide to Global Cooperation. Cambridge: Cambridge University Press, 2017.

HOWKINS, John. The Creative Economy: how people make money from ideas. Londres: Penguin Books, 2001.

KEATING, Paul. Creative Nation: commonwealth cultural policy. Relatório lançado em 30 de outubro de 1994. Disponível em: http://pandora.nla.gov.au/pan/21336/20031011-0000/www.nla.gov.au/creative.nation/contents.html. Acesso em: 10 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Decreto n. 14.692, de 21 de março de 2017. Reorganiza a estrutura básica da Secretaria de Estado de Cultura e Cidadania (SECC), e dá outras providências. 2017a. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO9374_22_03_2017. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Extrato do Termo de Outorga n. 27780/2017. Diário Oficial n. 9.540, p. 09 do dia 27 de novembro de 2017. 2017b. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO9540_27_11_2017. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Lei n. 4.982, de 14 de março de 2017. Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 4.640, de 24 de dezembro de 2014, que reorganiza a Estrutura Básica do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso do Sul, e dá outras providências. 2017c. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO9369_15_03_2017. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). MS Mostra MS – Economia Criativa – SECC/MS. Diário Oficial do Estado n. 9.485, p. 4-5 do dia 31 de agosto de 2017. 2017d. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO9485_31_08_2017. Acesso em: 10 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Chamada Pública SECTEI n. 03/2016. Diário Oficial do Estado n. 9.221, do dia 4 de agosto de 2016. 2016a. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO9221_04_08_2016. Acesso em: 10 dez.2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Lei n. 4.975, de 29 de dezembro de 2016. Aprova a primeira revisão do Plano Plurianual para o período 2016/2019. 2016b. Disponível em:

http://www.transparencia.ms.gov.br/Content/Caderno/ARQUIVO_PPA%202017%20CADERNO%20COMPLETO.PDF.pdf. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Lei n. 4.976, de 29 de dezembro de 2016. Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2017. 2016c. Disponível em: http://www.transparencia.ms.gov.br/Content/Caderno/ARQUIVO_CADERNO%20LOA%202017%20COMPLETO.PDF.pdf. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Chamada Pública SECTEI n. 02/2015. Diário Oficial do Estado n. 9.075, do dia 30 de dezembro de 2015. 2015a. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO9075_30_12_2015. Acesso em: 10 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Coordenadoria de Processamento de Licitação/SL/SAD. Diário Oficial do Estado n. 8.917, p. 15 do dia 12 de maio de 2015. 2015b. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO8917_12_05_2015. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Decreto n. 14.169, de 27 de abril de 2015. Estabelece a estrutura básica da Secretaria de Estado de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação (SECTEI), e dá outras providências. 2015c. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO8908_28_04_2015. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Lei n. 4.806, de 21 de dezembro de 2015. Institui o Plano Plurianual para o período de 2016/2019. 2015d. Disponível em: http://www.transparencia.ms.gov.br/Content/Caderno/Caderno%20PPA%202016.2019%20Definitivo.pdf. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Lei n. 4.807, de 21 de dezembro de 2015. Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2016. 2015e. Disponível em: http://www.transparencia.ms.gov.br/Content/Caderno/Caderno%20LOA%202016%20Definitivo.pdf. Acesso em: 9 dez. 2017.

MATO GROSSO DO SUL (MS). Portaria n. 044, de 19 de agosto de 2013. Homologa para a III Conferência Estadual de Cultura de Mato Grosso do Sul o seu Regimento Interno. 2013. Disponível em: http://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO8500_22_08_2013. Acesso em: 9 dez. 2017.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Nova instrução normativa. Disponível em http://cultura.gov.br/nova-instrucao-normativa/. Acesso em: 5 dez. 2017.

MUNIZ, Carolina. Desenvolver a economia criativa será prioridade, diz ministro da Cultura. 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/08/1912651-desenvolver-a-economia-criativa-sera-prioridade-diz-ministro-da-cultura.shtml. Acesso em: 11 set. 2017.

NEUMAN, L. W. Social research methods: qualitative and quantitative approaches. Harlow, UK: Pearson, 2014.

PACHECO, Adriano Pereira de Castro. Economia Criativa e os pontos de cultura: uma agenda de cooperação para o desenvolvimento local. 2016. Dissertação (Mestrado em Administração) - Escola de Administração e Negócios, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 2016.

PANCHERI, Vanessa. A arte da política: Mario de Andrade e o Departamento de Cultura de São Paulo (1935-1938) – uma gestão à frente do seu tempo. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Gestão de Políticas Públicas) - EACH/Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SAYERS, Dorothy. The other six deadly sins. Conferência dada em 23 de outubro de 1941. Disponível em: http://www.lectionarycentral.com/trinity07/sayers.html. Acesso em: 30 out. 2017.

SCHLESINGER, Philip. The creative economy: invention of a global orthodoxy. Journal Innovation: The European Journal of Social Science Research, v. 30, n. 1, p. 73-90, 2016. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13511610.2016.1201651. Acesso em: 30 out. 2017.

SEBRAE-MS. Relatório de Gestão 2016. Campo Grande, MS, 2017. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/MS/Transpar%C3%AAncia/2017/Relat%C3%B3rio%20de%20Gest%C3%A3o%20SebraeMS%202016%20(completo).pdf. Acesso em: 11 dez. 2017.

SINCLAIR, Andrew. Arts and cultures: the history of the 50 years of the arts council of Great Britain. Londres: Sinclair-Stevenson, 1995.

TEIXEIRA, William; FERRAZ, Silvio. Música como ação. Revista Vórtex, Curitiba, PR, v. 5, n. 1, p. 1-12, 2017. Disponível em: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/1858/1153. Acesso em: 30 out. 2017.

Publicado
2019-11-05