Análise do desenvolvimento territorial: a contribuição da experiência Italiana

Palavras-chave: Terceira Itália, desenvolvimento territorial, capitalismo.

Resumo

O objetivo do presente artigo é realizar uma revisão da literatura sobre os distritos industriais e sua contribuição para a discussão do desenvolvimento territorial. Constata-se que a abordagem territorial tem ganhado importância na definição de políticas de desenvolvimento por se estabelecer no lócus de execução da política, o que permite o desenvolvimento de cooperação e complementaridade.

Biografia do Autor

Elaine Carvalho de Lima, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Atualmente é estudante do doutorado em Economia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Possui mestrado em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Especialista em Educação Ambiental e Geografia do Semiárido pelo Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN). Especialista em Gestão Pública Municipal pela Universidade Estadual da Paraíba.
Calisto Rocha de Oliveira Neto, Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA)

Professor da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA). Mestre e graduado em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Graduando em ciências contábeis pela UFRN.

Referências

ABREU, H. B. As novas configurações do Estado e da sociedade civil. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social. Crise Contemporânea, Questão Social e Serviço Social. Brasília, DF: UnB, Centro de Educação Aberta, Continuada a Distância, 2000. Módulo 1, p. 35-44.

BAGNASCO, A. Desenvolvimento regional, sociedade local e economia difusa. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A. P. (Org.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A Editores, 1999.

BECATTINI, G. Os distritos industriais na Itália. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A. P. (Org.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A Editores, 1999.

BECATTINI, G. O Distrito Marshalliano. In: BENKO, G.; LIPIETZ, A. As regiões ganhadoras - distritos e redes: os novos paradigmas da geografia econômica. Tradução A. Gonçalves. Oeiras, Portugal: Celta, 1994.

BENKO, G.; LIPIETZ, A. (Org.). As regiões ganhadoras: distritos e redes: os novos paradigmas da geografia econômica. Oeiras, Portugal: Celt, 1994.

BENKO, G. Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, 2002.

BENKO, G. A recomposição dos espaços. Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 1, n. 2, p. 7-12, mar. 2001.

BENKO, G. A ciência regional. Oeiras, Portugal: Celta, 1999.

BREITBACH, A. C. M. Estudo sobre o conceito de região. Porto Alegre, RS: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser, 1988.

CLARK, C. The conditions of economic progress. London: Macmillan, 1957.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CHRISTALLER, W. Central places in Southern Germany. New Jersey: Prentice-Hall, 1933.

DUAIBS, R. A economia italiana e o desenvolvimento dos distritos industriais. SINAIS, Vitória, ES, n. 20, p. 6-24, jul./dez. 2016.

ERBER, F. Eficiência coletiva em arranjos produtivos locais: comentando o conceito. Revista Nova Economia, Belo Horizonte, MG, v. 18, n. 1, p. 11-32, jan./abr. 2008.

FEITOSA, C. O. Aglomerações industriais como fator de desenvolvimento regional: um estudo de caso no Nordeste brasileiro. Malaga, Espanha: Eumed, 2009. v. 1, 63p.

HIRSCHMAN, A. O. Interregional and international transmission of economic growth. In: HIRSCHMAN, A. (Ed.). The strategy of economic development. New Haven: Hyatt Universit Press, 1958. p. 183-204.

HUMPHREY, J.; SCHMITZ, H. The triple C approach to local industrial policy. World Development, v. 24, n. 12, p. 1859-77, dez. 1996.

LAURELL, A. C. Estado y políticas sociales en el neoliberalismo. México, DF: Fundación F. Ebert, 1992.

LOSCH, A. The economics of location. New Haven: Yale University Press, 1940.

MARSHALL, A. Princípios de economia. São Paulo: Nova Cultural, 1890. v. 1.

MYRDAL, G. Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. 2. ed. Rio de Janeiro: Saga, 1968.

MARTINS, C. E. Da globalização da economia à falência da democracia. Economia e Sociedade; Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 1-23, jun. 1996.

OTTAVIANO, G. I. P.; THISSE J. F. New economic geography: what about the N? Environment and Planning A, v. 37, n. 10, p. 1707-25, 2004.

PIORE, M. J.; SABEL C. The second industrial divide. New York: Basic Books, 1984.

PORTER, M. Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Elsevier/ Campus, 1999.

ROSTOW, W. W. Etapas do desenvolvimento econômico: (um manifesto não comunista). 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

SCHMITZ, H. On the clustering of small firms. IDS Bulletin, v. 23, n. 3, p. 64-6, jul. 1992.

SCHMITZ, H.; MUSYCK, B. Industrial districts in Europe: policy lessons for developing countries? University of Sussex, Institute of Developing Studies, Discussion Paper 324, abr. 1993.

SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. World Development, v. 27, n. 9, p. 1503-14, 1999.

VERNON, R. International investment and international trade in the product cycle. The Quarterly Journal of Economics, v. 80, n. 2, p. 190-207, maio 1966.

Publicado
2019-03-21