Sustentabilidade em edifício residencial no município de Dourados, MS

Palavras-chave: armazenamento de água da chuva, energia solar fotovoltaica, instalação predial.

Resumo

Este trabalho apresenta dois sistemas alternativos dimensionados para um edifício residencial, já concluído, com o intuito de suprir o consumo de água e energia elétrica nas áreas comuns. O primeiro sistema capta água da chuva para posterior utilização com fins não potáveis. No segundo sistema, de geração de energia solar fotovoltaica integrada à rede, o objetivo principal foi suprir o consumo de energia elétrica nas áreas comuns do edifício.

Biografia do Autor

Orlando Moreira Júnior Moreira Júnior, Universidade Federal da Grande Dourados
Doutor em 2009 pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) ­ Campus de Botucatu­SP, no departamento de Engenharia Rural na área de Energia na Agricultura, mestrado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) pelo departamento de Engenharia Aeronáutica na área de Aerodinâmica, Propulsão e Energia em 1996 e graduação em Física pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) em 1993. Atualmente é professor da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) na Faculdade de Engenharia (FAEN) atuando no curso de Engenharia de Energia.
Celso Correia de Souza, Uniderp Anhanguera
Possui graduação em Matemática pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Penápolis (1972); mestrado em Matemática Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (1985) e; doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (1994). É professor aposentado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Campus de Três Lagoas, MS. Atualmente, é professor doutor da Universidade Anhanguera Uniderp, Campus de Campo Grande, MS. É professor do Curso de Matemática e dos Mestrados em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, Produção e Gestão Agroiondustrial e do Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Universidade Anhanguera Uniderp de Campo Grande (MS). Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Probabilidade e Estatística Aplicadas, Otimização e Pesquisa Operacional e Controle Automático de Sistemas. É pesquisador da Fundação Manoel de Barros (FMB) e do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (NEPES) que calcula a Inflação da cidade de Campo Grande (MS).
Paulo Henrique Ternovoe Nepomuceno, Sunlight Engenharia
Nascido em Naviraí-MS, Formado em Engenharia de Energia pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, Dourados, MS, em 2016. AtualmenteTrabalho com projetos de instalações elétricas e de geração de energia solar fotovoltaica na Empresa
Bruno Machado Antunes, Sunlight Engenharia
Formado em Engenharia de Energia pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, Dourados, MS, em 2016. Trabalho com projetos de instalações elétricas e de geração de energia solar fotovoltaica na Empresa Sunlight Engenharia. Cursando atualmente Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, RJ.

Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 16274. Sistemas fotovoltaicos conectados à rede – requisitos mínimos para documentação, ensaios de comissionamento, inspeção e avaliação de desempenho. 2014.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 10899. Energia solar fotovoltaica – terminologia. Nov. 2013.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 62116. Procedimento de ensaio de anti-ilhamento para inversores de sistemas fotovoltaicos conectados à rede elétrica. Mar. 2012.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 11704. Sistemas fotovoltaicos – classificação. Jan. 2008.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 15527. Água da chuva: aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis. Set. 2007

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 12721. Avaliação de custos unitários de construção para incorporação imobiliária e outras disposições para condomínios edifícios. Ago. 2006.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 5410. Instalações elétricas de baixa tensão. Set. 2004.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 6118. Projeto de estruturas de concreto – procedimento. Mar. 2003.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 10844. Instalações prediais de águas pluviais. Dez. 1989.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações. Jun. 1988.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (ANEEL). Resolução normativa n. 687, de 24 de novembro de 2015. Disponível em: <http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2015687.pdf>. Acesso em: maio 2017.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (ANEEL). Resolução normativa n. 482, de 17 de abril de 2012. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2012482.pdf. Acesso em: maio 2017.

ANNECCHINI, K. P. V. Aproveitamento da água da chuva para fins não potáveis na cidade de Vitória (ES). Orientador: Ricardo Franci Gonçalves. 2005. 150 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambienta) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005. Disponível em: http://www.ct.ufes.br/ppgea/files/VERSÃOfinal-KarlaPonzo.PRN_.pdf. Acesso em: maio 2017.

ANTUNES, B. M. Dimensionamento de um sistema fotovoltaico conectado à rede e um sistema de captação de água da chuva para um edifício residencial. Orientador: Orlando Moreira Júnior 2016. 86f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Energia) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2016.

BRITISH PETROLEUM (BP). Statistical review of world energy, jun. 2017. Disponível em: https://www.bp.com/content/dam/bp-country/de_ch/PDF/bp-statistical-review-of-world-energy-2017-full-report.pdf. Acesso em: abr. 2017.

CENTRO DE REFERÊNCIA PARA ENERGIA SOLAR E EÓLICA SÉRGIO BRITO (CRESESB). Potencial Solar, 2017. Disponível em: http://www.cresesb.cepel.br/index.php?section=sundata&. Acesso em: 4 abr. 2017.

ELKINGTON, J. Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st Century Business. Oxford: Capstone, 1977. 402p.

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL (GBC BRASIL). Certificação Condomínio. GBC BRASIL, 2018. Disponível em: www.gbcbrasil.org.br. Acesso em: 28 mar. 2018.

JOHN, V. M.; RACINE, T. A. P. (Coord.). Boas práticas para habitação mais sustentável: Selo Caixa Azul. São Paulo: Páginas & Letras, 2010.

KATS, G. Greening our built environment: costs, benefits and strategies. Washington: Island Press, 2013. 280p. ISBN 9781597266680.

LINDSEY, T. C. Sustainable principles: common values for achieving sustainability. Journal Cleaner Production, v. 19, n. 5, p. 561-65, 2011.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Resenha Energética Brasileira, maio 2016. Disponível em: http://www.mme.gov.br/documents/10584/91108841/1+-+Resenha+Energ%C3%A9tica+Brasileira/f9d34960-a6b9-4aff-b58f-bd3a8204a2be;jsessionid=BB006231E837AC861D3390E3705B8D7D.srv155?version=1.0. Acesso em: abr. 2017.

NÓIA, C. P. Z. Estimativa de precipitação pluvial máxima para o estado de Mato Grosso do Sul. Orientador: Silvio Bueno Pereira. 2013. 73p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2013.

PEREIRA, S. B.; FIETZ, C. R.; PEIXOTO, P. P. P.; ALVES SOBRINHO, T.; SANTOS, F. M. Equação de intensidade, duração e frequência da precipitação para a região de Dourados, MS. Dourados, MS: Embrapa Agropecuária Oeste, 2007. 18p. (Documentos/Embrapa Agropecuária Oeste, n. 44).

SACADURA, F. O. M. O. Análise de sistemas de aproveitamento de água pluvial em edifícios. Orientador: Dr. João Leal. 2011. 137 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, PT, 2011. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/6153. Acesso em: abr. 2017.

STEPANYAN, K.; LITTLEJOHN, A.; MARGARYAN, A. Sustainable e-Learning: toward a coherent body of knowledge. Educational Technology & Society, v. 16, n. 2, p. 91-102, 2013.

UNITED NATIONS WORLD WATER ASSESSMENT PROGRAMME (WWAP). The United Nations World Water Development Report 2015. Water for a Sustainable World. Paris: UNESCO, 2015. ISBN 978-92-3-100071-3.

YOLLES, M.; FINK, G. The Sustainability of Sustainability. Business Systems Review, v. 3, n. 2, p. 1-32, 2014.

Publicado
2019-07-05