Índice bruto de sustentabilidade dos municípios de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave: desenvolvimento local, sustentabilidade, desenvolvimento sustentável

Resumo

Este trabalho apresenta o Índice Bruto de Sustentabilidade dos municípios de Mato Grosso do Sul, elaborado segundo variáveis relacionadas à estrutura político-administrativa, instrumentos e ações desenvolvidas em prol da preservação ambiental. Os dados foram obtidos na Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC), feita pelo IBGE em 2013. Os resultados apontam que diversos municípios estão muito aquém do ideal no que se refere à estrutura político-administrativa e a ações voltadas à preservação do meio ambiente.

Biografia do Autor

Leonardo Recena Aydos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.
Graduado em Ciências Econômicas e Mestre em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Leonardo Francisco Figueiredo Neto, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Engenheiro Agrônomo. Mestre em Economia (USP). Doutor em Engenharia de Produção (USP). Atualmente é professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Centro de Ciências Humanas e Sociais.

Referências

ÁVILA, Rafael Doñate; MALHEIROS, Tadeu Fabrício. O sistema municipal de meio ambiente no Brasil: avanços e desafios. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 33-47, dez. 2012. DOI 10.1590/s0104-12902012000700004. Acesso em: 31 jul. 2017.

AYDOS, Leonardo Recena; FIGUEIREDO NETO, Leonardo Francisco. Estudo da correlação entre ICMS Ecológico e estrutura político-administrativa ambiental nos municípios brasileiros. Acta Scientiarum. Human And Social Sciences, [s.l.], v. 38, n. 2, p.131-141, 11 out. 2016. Universidade Estadual de Maringa. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/actascihumansoc.v38i2.31822. Acesso em: 31 jul. 2017.

BARBIERI, José Carlos. Políticas públicas ambientais. In: BARBIERI, José Carlos. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. p. 71-112.

BRÜZEKE, Franz Josef. O problema do desenvolvimento sustentável. In: WORKSHOP: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DOS TRÓPICOS ÚMIDOS, 13., 18-19 nov. 1993, Belém. Papers do NAEA, Belém, n. 13, nov. 1993. p. 3-12. Disponível em: http://www.naea.ufpa.br/naea/novosite/index.php?action=Publicacao.arquivo&id=67. Acesso em: 31 jul. 2017.

CUNHA, Nina Rosa da Silveira; LIMA, João Eustáquio; GOMES, Marília Fernandes de Maciel; BRAGA, Marcelo José. A intensidade da exploração agropecuária como indicador da degradação ambiental na região dos Cerrados, Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 46, n. 2, p. 291-323, jun. 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-20032008000200002. Acesso em: 31 jul. 2017.

FRAINER, Daniel Massen; SOUZA, Celso Correia de; REIS NETO, José Francisco; CASTELÃO, Raul Asseff . Uma aplicação do Índice de Desenvolvimento Sustentável aos municípios do estado de Mato Grosso do Sul. Interações, Campo Grande, v. 18, n. 2, p. 145-56, maio 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v18i2.1524. Acesso em: 5 ago. 2017.

GIULIANI, Alessandro. The application of principal component analysis to drug discovery and biomedical data. Drug Discovery Today, [s.l.], v. 22, n. 7, p.1069-76, jul. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.drudis.2017.01.005. Acesso em: 5 ago. 2017.

GUIMARÃES, Raphael Mendonça; ASMUS, Carmen Ildes Rodrigues Fróes; BURDORF, Alex. Caracterização da exposição de população a organoclorados: uma aplicação da análise de cluster. Revista Brasileira de Epidemiologia, [s.l.], v. 16, n. 2, p. 231-9, jun. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s1415-790x2013000200001. Acesso em: 5 ago. 2017.

IBGE. Censo Agropecuário 2006: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE, 2006. 777 p. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/51/agro_2006.pdf. Acesso em: 5 ago. 2017.

IBGE. Perfil dos municípios brasileiros 2013. Pesquisa de informações básicas municipais. Rio de Janeiro, Departamento de População e Indicadores Sociais, 2014.

JOLLIFFE, Ian T.; CADIMA, Jorge. Principal component analysis: a review and recent developments. Philosophical transactions of the Royal Society a: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, [s.l.], v. 374, n. 2065, p. 1-16, abr. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1098/rsta.2015.0202. Acesso em: 5 ago. 2017

MARGULIS, Sergio. A regulamentação ambiental: instrumentos e implementação. Rio de Janeiro: Ipea, 1996. 38p. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/TDs/td_0437.pdf. Acesso em: 5 ago. 2017.

MARQUES, Angela Fontana. Aplicação da análise multivariada na infraestrutura e no desempenho das escolas públicas do Ensino Fundamental e Médio pertencentes ao Núcleo Regional de Educação de Paranavaí. Acta Scientiarum. Technology, [s.l.], v. 32, n. 1, p. 75-81, jan. 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v32i1.1188. Acesso em:5 ago. 2017.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (SEMADE). Estudo da dimensão territorial do estado de Mato Grosso do Sul: regiões de planejamento. Campo Grande: SEMADE, 2015. 89p. Disponível em: http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2015/03/estudo_dimensao_territorial_2015.pdf. Acesso em: 5 ago. 2017.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (SEMAC). IRS-MS: Índice de Responsabilidade Social de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: SEMAC/MS, 2011. 258p. V. 2. Disponível em: http://www.semade.ms.gov.br/irs-ms-2011/. Acesso em: 5 ago. 2017.

MELO, Cármem Ozana de; PARRÉ, José Luiz. Índice de desenvolvimento rural dos municípios paranaenses: determinantes e hierarquização. Revista de Economia e Sociologia Rural, [s.l.], v. 45, n. 2, p. 329-65, jun. 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-20032007000200005. : Acesso em: 31 jul. 2017.

MINGOTI, Sueli Aparecida. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

NASCIMENTO, Elimar; VIANNA, João Nildo de Souza. Economia, meio ambiente e comunicação. Rio de Janeiro: Garamond, 2006. 184p.

NASCIMENTO, Luis Felipe. Gestão ambiental e sustentabilidade. Florianópolis: UFSC; Brasília: CAPES/UAB, 2012. 148p. Disponível em: http://www.ufjf.br/engsanitariaeambiental/files/2012/09/Livrotexto_Gestao_Ambiental_Sustentabilidade2.pdf. Acesso em: 1 ago. 2017.

PACHECO, Larissa Marchiori; DANTAS, Marina Kolland; PASSADOR, Claudia Souza; AMUI, Lara Bartocci Liboni. Gastos públicos ambientais: uma revisão integrativa da literatura e agenda para estudos futuros. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO EMPRESARIAL E MEIO AMBIENTE, 17., 2015, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: FEAUSP, 2015. p. 1-17. Disponível em: http://engemausp.submissao.com.br/17/anais/arquivos/166.pdf. Acesso em: 31 jul. 2017.

PONCIANO, Niraldo José; GOLYNSKI, Adelmo; SOUZA, Paulo Marcelo de; NEY, Marlon Gomes; NEY; Vanuza da Silva Pereira. Caracterização do nível tecnológico dos apicultores do estado do Rio de Janeiro. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 51, n. 3, p. 499-514, jul./set. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-20032013000300005. Acesso em: 31 jul. 2017.

SANCHES, Carmen Silvia. Gestão ambiental proativa. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 76-7, jan./mar. 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0034-75902000000100009. Acesso em: 31 jul. 2017.

SYDENSTRICKER-NETO, John; TORRES, Haroldo da Gama; FERREIRA, Maria Paula. Percepções Ambientais dos Gestores Públicos e Capacidade Institucional: uma avaliação a partir da MUNIC 2008. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 17., 20-24 set. 2010, Caxambú. Anais [...]. [s.l.]: Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), 2010. p. 1-23. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/viewFile/2368/2321. Acesso em: 1 ago. 2017.

VALLI, Márcio. Análise de Cluster. Augusto Guzzo - Revista Acadêmica, São Paulo, n. 4, p.77-87, ago. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22287/ag.v0i4.107. Acesso em: 31 jul. 2017.

Publicado
2019-03-21