Indicações Geográficas como estratégia de desenvolvimento: o caso do Norte Pioneiro do Paraná

  • Mara Elena Bereta de Godoi Pereira Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Engenharia, Câmpus Tupã/SP
  • Ana Elisa Bressan Smith Lourenzani Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Engenharia, Câmpus Tupã/SP
  • Kassia Watanabe Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Palavras-chave: desenvolvimento, Indicações Geográficas, agricultura familiar.

Resumo

A Indicação Geográfica (IG) é uma estratégia relevante tanto para as firmas quanto para o desenvolvimento. Buscando descrever a coordenação entre os atores sociais que compõem o território da IG Norte Pioneiro do Paraná, em especial a participação da agricultura familiar, esta pesquisa demonstrou que a IG favoreceu a valorização do território e da atividade cafeeira, acesso a canais de comercialização e ações coletivas, contribuindo assim para o desenvolvimento. 

Biografia do Autor

Mara Elena Bereta de Godoi Pereira, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Engenharia, Câmpus Tupã/SP

Assessora Administrativa da Diretoria, Faculdade de Ciências e Engenharia, UNESP/Câmpus Tupã. Graduada em Administração pela Faculdade de Ciências Contábeis  e Administração de Tupã (FACCAT), mestre em Agronegócio e Desenvolvimento pela UNESP.

Ana Elisa Bressan Smith Lourenzani, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Engenharia, Câmpus Tupã/SP

Professora assistente doutora da Faculdade de Ciências e Engenharia da UNESP/Câmpus Tupã. Graduada em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa (1998), mestrado (2003) e doutorado (2006) em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos  e Pós-doutorado na Kansas State University.

Kassia Watanabe, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, UFRB. Graduada em Administração pela Fundação Armando Álvares Penteado (1993) e em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2000) e doutorado em Ciências Políticas pela Scuola Superiore Sant'Anna di Studi Universitari e Perfezionamento (2007).

Referências

ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

AMBROSINI, L. B.; FILIPPI, E. E.; MIGUEL, L. de A. SIAL: análise da produção agroalimentar a partir de um aporte territorialista e multidisciplinar. Revista Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Rio de Janeiro, RJ, v. 2, n. 1, p. 6-31, jan./jun. 2008.

BARJOLLE, D.; PAUS, M.; PERRET, A. Impacts of Geographical Indications review of methods and empirical evidences. International Association of Agricultural Economistis Conference, Beijing, China, 16-22 aug. 2009.

BELLETTI, G.; MARESCOTTI, A. Origin products, geographical indications and rural development. In: BARHAM, E.; SYLVANDER, B. (Ed.). Labels of origin for food: local development, global recognition. London, UK: CAB International, 2011.

BOUCHER, F. De la AIR a los SIAL: reflexiones, retos y desafíos en América Latina. Agroalimentaria, v. 18, n. 34, p. 79-90, enero/junio 2012.

BOWEN, S. Embedding local places in global spaces: geographical indications as a territorial development strategy. Rural Sociology, v. 75, n. 2, p. 209-43, jun. 2010.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica. Brasília: MAPA; Florianópolis: SEaD/UFSC/FAPEU, 2010.

______. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm>. Acesso em: 13 abr. 2017.

______. Decreto n. 1.355, de 30 de dezembro de 1994. Promulgo a Ata Final que Incorpora os Resultados da Rodada Uruguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/Antigos/D1355.htm>. Acesso em: 13 abr. 2017.

BRONZERI, M. S. A influência das estratégias competitivas e colaborativas da cadeia produtiva do café no conteúdo estratégico das empresas e produtores do Norte Pioneiro do Paraná. 2009. 194p. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, 2009.

BRONZERI, M. S.; BULGACOV, S. Estratégias na cadeia produtiva do café no Norte Pioneiro do Paraná: competição, colaboração e conteúdo estratégico. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, MG, v. 16, n. 1, p. 77-91, 2014.

BUAINAIN, A. M.; ROMEIRO, A. R.; GUANZIROLI, C. Agricultura familiar e o novo mundo rural. Sociologias, Porto Alegre, v. 5, n. 10, p. 312-47, jul./dez. 2003.

CAFAGGI, F. et al. Accessing the global value chain in a changing institutional environment: comparing aeronautics and coffee. IDB Working Paper, series-370, 2012.

CAZELLA, A. A. As bases sociopolíticas do desenvolvimento territorial: uma análise a partir da experiência francesa. In: FROEHLICH, J. M. (Org.). Desenvolvimento territorial: produção, identidade e consumo. Ijuí: Editora Unijuí, 2011. Parte I, p. 15-52.

CERDAN, C. Indicações geográficas e estratégias de desenvolvimento territorial. In: NIEDERLE, P. A. (Org.). Indicações geográficas: qualidade e origem dos mercados alimentares. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2013. Parte II, p. 125-50.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

CHAMPREDONDE, M. et al. La pampa como indicación geográfica para diferenciar carnes vacunas em Argentina y en Brasil: motivaciones y limitantes. Agroalimentaria, v. 20, n. 38, p. 35-52, jan./jun. 2014.

FERNÁNDEZ-BARCALA, M.; GONZÁLEZ-DÍAZ, M.; RAYNAUD, E. Contrasting the governance of supply chains with and without geographical indications: complementarity between levels. Supply Chain Management: An International Journal, v. 22, n. 4, p. 305-20, 2017.

FROEHLICH, J. M. et al. A agricultura familiar e as experiências de Indicações Geográficas no Brasil meridional. Agrociencia Uruguay, v. 14, n. 2, p. 115-25, jul./dez. 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GIESBRECHT, H. O. et al. Indicações geográficas brasileiras. Brasília: SEBRAE/INPI, 2014.

HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica. São Paulo: Bookman, 2003.

INOVAÇÃO e tecnologia: cafés especiais do Norte Pioneiro do Paraná. Jacarezinho: SEBRAE, ACENPP, COCENPP, 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Pedidos de Indicação Geográfica concedidos e em andamento. [s.d.]. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil>. Acesso em: 19 abr. 2017.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (IPARDES). Leituras regionais: Mesorregião Geográfica Norte Pioneiro Paranaense. Curitiba: IPARDES/BRDE, 2004.

LIKOUDIS, Z. et al. Consumers’ intention to buy protected designation of origin and protected geographical indication foodstuffs: the case of Greece. International Journal of Consumer Studies, v. 40, n. 3, p. 283-9, maio 2016.

LOURENZANI, A. B. S.; BANKUTI, S. M. S.; PETERSON, H. H. Geographical indication and LAFS sustainability: evidences from specialty coffee from the Norte Pioneiro region in Brazil. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SIAL, 6., Florianópolis, 2013. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/284456378_Geographical_indication_and_LAFS_sustainability_evidences_from_specialty_coofee_from_the_Norte_Pioneiro_region_in_Brazil>.

MEDINA, G. et al. Development conditions for family farming: lessons from Brazil. World Development, v. 74, p. 386-96, out. 2015.

MUCHNIK, J. Localised Agrifood Systems: concept development and diversity of situations. In: ANNUAL MEETINGS OF THE AGRICULTURE, FOOD, AND HUMAN VALUES. Proceedings… Pennsylvania: State College, 2009.

______. Sistemas agroalimentarios localizados: evolución del concepto y diversidad de situaciones. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE LA RED SIAL, 3., 2006, Baeza (Jaén), Espanha Sistemas Agroalimentarios Locales. Baeza, Espanha: ALTER6, 2006. Disponível em: <http://syal.agropolis.fr/ALTER06/pdf/actes/c14.pdf>. Acesso em: 4 set. 2014

NIEDERHAUSER, N. et al. Information and its management for differentiation of agricultural products: the example of specialty coffee. Computers and Eletronics in Agriculture, v. 61, n. 2, p. 241-53, maio 2008.

NIEDERLE, P. A. O mercado vitivinícola e a reorganização do sistema de indicações geográficas na região do Languedoc, França. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, MG, v. 14, n. 2, p. 155-73, 2012.

______. Controvérsias sobre a noção de indicações geográficas enquanto Instrumento de desenvolvimento territorial: a experiência do vale dos Vinhedos em questão. In.: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 47., 2009. Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 2009.

ORTEGA, A. C.; JESUS, C. M. de. Café e território: a cafeicultura no Cerrado Mineiro. Campinas, SP: Alínea, 2012.

PEREIRA, M. E. B. G. Coordenação na agricultura familiar e desenvolvimento territorial: o caso das Indicações Geográficas para o café. 2016. 156 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócio e Desenvolvimento) - Faculdade de Ciências e Engenharia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Tupã, SP, 2016.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1986.

REQUIER-DESJARDINS, D. Systèmes agroalimentaires localisés et qualification: une relation complexe. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL. Anais... Florianópolis, Brasil, 2007. p. 12.

ROCA, Z.; MOURÃO, J. C. Identidade e desenvolvimento territorial entre a retórica e a prática. Revista de Humanidades e Tecnologias, n. 9, p. 102-10, 2003.

SAES, M. S. M.; SPERS, E. E. Percepção do consumidor sobre os atributos de diferenciação no segmento rural: café no mercado interno. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, MG, v. 8, n. 3, p. 354-67, 2006.

SCHMIDT, C. M.; SAES, M. S. M.; MONTEIRO, G. F. A. Value creation and value appropriation in networks: an empirical analysis of the role of geographical indication in the wine industry in Vale dos Vinhedos, RS, Brazil. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, MG, v. 16, n. 3, p. 343-62, 2014.

SPECHT, S.; RÜCKERT, A.A. Sistema Agroalimentar Local: uma abordagem para a análise da produção de morangos, no Vale do Caí, RS. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 46, 2008. Rio Branco. Anais... Rio Branco: SOBER, 2008. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/pgdr/arquivos/656.pdf>. Acesso em: 4 set. 2014

SPERS, E. E.; SAES, M.S.M.; SOUZA, M.C.M. Análise das preferências do consumidor brasileiro de café: um estudo exploratório dos mercados de São Paulo e Belo Horizonte. Revista de Administração (RAUSP), n. 39, v.1, p. 53-61, jan./mar. 2004.

VOIGT-GAIR, L.; MIGLIORANZA, E.; FONSECA, I.C.B. A dinâmica do concurso “Café Qualidade Paraná” na produção de cafés especiais. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 34, n. 6, suplemento 1, p. 3173-80, 2013.

WINKLER, C. A. G.; SOUZA, J. P Condições de apropriação de renda no sistema agroindustrial do café. Caderno de Administração, Maringá, PR, v. 20, n. 2, p. 23-37, 2012.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION (WIPO). Geographical Indications. [s.d.]. Disponível em: <http://www.wipo.int/geo_indications/en/#>. Acesso em: 6 out. 2017.

ZYLBERSZTAJN, D. et al. Diagnóstico sobre o sistema agroindustrial de cafés especiais e qualidade superior do estado de Minas Gerais. Relatório Final PENSA – FIA – FEA – USP, São Paulo, junho, 2001.

Publicado
2018-06-29