O conhecimento etnográfico dos Tremembé da Barra do Mundaú, Ceará

  • André Luís Aires Pinto Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB
  • Maria Jardenes Matos Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB
  • Maria do Socorro Moura Rufino Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB http://orcid.org/0000-0003-3450-9481
Palavras-chave: frutas, etnobotânica, conhecimento tradicional.

Resumo

A pesquisa empenhou-se em compreender o conhecimento tradicional dos Tremembé da Barra do Mundaú acerca das frutas nativas de seu território e em oferecer uma contribuição para a etnobotânica dos indígenas do Nordeste. Elegeu-se a metodologia etnográfica, com abordagem qualitativa. Os povos indígenas, à proporção que defendem a diversidade cultural, preservam os recursos naturais e os conhecimentos a eles associados.

Biografia do Autor

André Luís Aires Pinto, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB
Mestre em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis (MASTS/UNILAB)
Maria Jardenes Matos, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB
Mestranda em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis (MASTS/UNILAB)
Maria do Socorro Moura Rufino, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB
Graduada em Agronomia pelo CCA/UFPI (2001), Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (Utilização sustentável dos recursos naturais) pela UFPI (2004), Doutora em Fitotecnia (Bioquímica, Fisiologia e Tecnologia Pós-Colheita) pela UFERSA incluindo Estágio Doutorando no Exterior em Bioquímica da Nutrição no Dept. de Metabolismo e Nutrição (ICTAN/CSIC), da Espanha (2008). Pós-doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos (PNPD/Capes/UFC, 2010/2011). Em 2010 foi reconhecida com o Prêmio Capes de Tese/2009, na área de Ciências Agrárias, PPGF/UFERSA 2008. Atua desde a graduação na área de alimentos participando do desenvolvimento de estudos com ênfase à caracterização de frutas tradicionais e não tradicionais (nativas e exóticas) de interesse para a agroindústria, compreendendo os aspectos de qualidade e potencial de utilização para consumo in natura e agroindustrial, bem como avaliando as propriedades funcionais das mesmas, tais como: compostos bioativos, atividade antioxidante, fibra dietética antioxidante, perfil de ácidos graxos e análise de compostos polifenólicos. Desde 2002, vem se dedicando ao ensino do magistério superior, iniciando suas atividades como professora da Universidade Estadual do Piauí, atuando nas áreas de Bioquímica, Química, Vigilância Sanitária e Toxicologia. Participa(ou) como membro e/ou coordenador de vários projetos e redes em âmbitos nacional e internacional, com ênfase a agregação de valor a matérias-primas alimentares. Desde janeiro de 2012 é Professora Efetiva da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), lotada no Instituto de Desenvolvimento Rural/Curso de Agronomia na área de Bioquímica e Tecnologia do Processamento de Produtos Agropecuários. Participou de 2012 a 2014 na gestão da Universidade assumindo Cargos de Direção, dentre eles a Coordenação de Pesquisa e Pós-graduação, Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão e Pró-Reitoria de Relações Institucionais. Atualmente participa como professora do quadro permanente do Mestrado Acadêmico em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis (UNILAB).

Referências

BARTH, Fredrik. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: LASK, Tomke. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000. p. 25-68.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

______. Portaria n. 1318, de 7 de agosto de 2015. Define os limites da Terra Indígena Tremembé da Barra do Mundaú. Diário Oficial da União, p. 33, Brasília, DF, 11 ago. 2015. Disponível em: <http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=33&data=11/08/2015>.

BRISSAC, Sérgio Góes Telles; NÓBREGA, Luciana Nogueira. Benzedeiras Anacé: a relevância dos ritos de cura na emergência étnica de um povo indígena do Ceará. REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 27., 1-4 ago. 2010, Belém, Pará. Anais... Belém: ABA/UFPA, 2010. Disponível em: <xa.yimg.com/kq/groups/21653234/2036643194/name/Benzedeiras +Anacé.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2016.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

DIEGUES, Antonio Carlos. (Org.). Os saberes tradicionais e a Biodiversidade no Brasil. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente/COBIO/NUPAB, 1999.

FRANCO, Cláudia Tereza Signori. Resumo do Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Tremembé da Barra do Mundaú. Diário Oficial da União, n. 26, seção 1, segunda-feira, 6 fev. 2012. p. 22-23.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. São Paulo: LCT, 1989.

GONÇALVES, Wagner. Terras de ocupação tradicional: aspectos práticos da perícia antropológica. In: SILVA, O. S.; LUZ, L.; VIEIRA, C. M. (Org.). A perícia antropológica em processos judiciais. Florianópolis: UFSC, 1994. p. 75-83.

GRÜNEWALD, Rodrigo de Azeredo (Org.). Toré: regime encantado do índio do Nordeste. Recife: Fundaj, 2005.

JORGE, S.S.A.; MORAIS, R.G. Etnobotânica de Plantas Medicinais. In: COELHO, M.F.B; JÚNIOR, P.C.; DOMBRESKI, J.L.D. (Org.). Diversos olhares em etnobiologia, etnoecologia e plantas medicinais. Cuiabá. MT, p.89-98, 2003.

LÓPEZ GARCÉS, Cláudia Leonor; ROBERT, Pascale. El legado de Darrell Posey: de las investigaciones etnobiológicas entre los Kayapó a la protección de los conocimientos indígenas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 7, n. 2, p. 565-80, maio/ago. 2012.

NASCIMENTO, Marco Tromboni de Souza. O Tronco da Jurema - ritual e etnicidade entre os povos indígenas do Nordeste: o caso Kiriri. 1994. 324 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 1994.

OLIVEIRA JR., Gerson Augusto de. Torém: brincadeira dos índios velhos. São Paulo: Annablume; Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desportos, 1998.

OLIVEIRA, Flávia Camargo et al. Avanços nas pesquisas etnobotânicas no Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 23, p. 590-605, 2009.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In: ______ (Org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1999. p. 11-39.

POSEY, Darrell Addison. Interpretando e utilizando a “realidade” dos conceitos indigenas: o que é preciso aprender dos nativos? In: “Espaços e Recursos Naturais de Uso Comum”. A.C. Diegues e A.C. Moreira (organizadores). NUPAUB, São Paulo, 2001.

______. Etnobiologia: teoria e prática. In: RIBEIRO, Berta Gleizer (Coord.). Suma etnológica brasileira. Petrópolis: Vozes, 1987. p. 15-25.

PRANCE, Ghillean Tolmie. Etnobotânica de algumas tribos da Amazônia. In: RIBEIRO, Berta Gleizer (Coord.). Suma etnológica brasileira. Edição atualizada – Handbook of south american indians. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. p. 119-33. v. 1.

SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Petrópolis, 2005.

SOUZA LIMA, Antônio Carlos de. Os relatórios antropológicos de identificação de terras indígenas da Fundação Nacional do Índio: notas para o estudo da relação entre antropologia e indigenismo no Brasil, 1968-1985. In: SOUZA LIMA, Antônio Carlos de; BARRETTO FILHO, Hênyo Trindade. Antropologia e identificação: os antropólogos e a identificação de terras indígenas no Brasil, 1977-2002. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2002. p. 75-118.

VALLE, Carlos Guilherme Octaviano do. Os Tremembé, grupo étnico indígena do Ceará (laudo antropológico). Rio de Janeiro: PETI/Museu Nacional, 1992 .

Publicado
2018-02-16