Ácidos graxos polinsaturados no sangue de gestantes suplementadas com ômega-3 e óleo de linhaça dourada.

Palavras-chave: Linum usitatissimun, eicosanóides, metabolismo

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar os níveis séricos de docosahexaenóico (DHA) e eicosapentaenoico (EPA) no sangue de gestantes que receberam suplementação de ômega 3 através da ingestão de cápsulas ou óleo de linhaça. Comparando os grupos, houve maior nível para o óleo de linhaça para os conteúdos de AA e DHA, indicando que a suplementação favoreceu a rota metabólica da formação e dos intermediários eicosanoides.

Biografia do Autor

Leila Simone Foerster Merey, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Graduação em Fisioterapia pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB (2000), Especialista em Fisioterapia em Pneumologia do Departamento de Medicina, da Universidade Federal de São Paulo (Escola Paulista de Medicina - UNIFESP) - (2002). Mestrado em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro Oeste pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS (2009), Especialista em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ/RJ, Brasil (2011), Doutora em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-oeste pela (UFMS). Atualmente atua como professora Adjunta II da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) - Curso de Fisioterapia. Possui experiência na área da Saúde, Formação e Fisioterapia, atuando principalmente nos seguintes temas: Fisioterapia Cardiorrespiratória em Pediatria e Neonatologia.
Durval Batista Palhares, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (1975), residência em pediatria pela mesma universidade. Mestrado (1984) e Doutorado (1988) em Pediatria pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP. Fez Pós-Doutoramento na Case Western Reserve University- RBCH, Cleveland - OHIO/USA. Atualmente faz parceria em projeto de pesquisa da Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É professor titular da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Departamento de Pediatria desde 2005. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Pediatria -Neonatologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Estudo do Recém-Nascido Pré-Termo, leite humano evaporado, leite humano e leite humano de banco, aditivo de leite humano liofilizado. Acompanha o Centro de Infusão de Doenças Lisossômicas e tem parceria com a UFRG (Porto Alegre) com projeto pelo CNPq. Atualmente está envolvido num estudo do paciente com FOP (fibrodisplasia ossificante progressiva), junto com o Centro de Desenvolvimento de Modelos Experimentais em Medicina e Biologia - EPM/São Paulo. Orienta mestrado e doutorado no Programa de Pós Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Pós-Graduação de Doenças Infecciosas e Parasitárias da UFMS.
Karla Rejane de Andrade Porto, Faculdade de Campo Grande
Possui graduação em Nutrição pela Universidade Federal de Alagoas (1995) e mestrado em Química e Biotecnologia pela Universidade Federal de Alagoas (2003) Doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade (2016) pela Rede Pró Centro-Oeste, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Bioquímica da Nutrição e Química de alimentos, atuando em pesquisa com química de produtos naturais, bioensaios e na inovação com tecnologia de alimentos.
Karla de Toledo Candido Muller, Universidade Católica Dom Bosco
Possuo graduação em Fisioterapia - UNOESTE (1994), Mestrado em Ciências Fisiológicas - Fisiologia do esforço - UNOESTE (2001), Mestrado pelo programa Saúde e Desenvolvimento da Região Centro-Oeste - Saúde e Sociedade - UFMS (2008), Doutorado pelo programa Saúde e Desenvolvimento da Região Centro-Oeste - Saúde e Sociedade - (UFMS). Especialização em Ativação do processo de mudanças na formação superior de profissionais de saúde - EAD/ENSP - FIOCRUZ. Professora universitária desde 1997 com experiência na área de Fisioterapia com ênfase em epidemiologia em saúde e saúde da criança nos diferentes ciclos de vida e níveis de atenção em saúde.

Referências

ARANCETA, J.; PÉREZ-RODRIGO, C. Recommended dietary reference in takes, nutritional goals and dietary guidelines for fat and fatty acids: a systematic review. British Journal of Nutrition, v. 107, Suplemento 2, p. S8-S22, jun. 2012. doi: 10.1017/S0007114512001444

BLOOMINGDALE, A. et al. A qualitative study of fish consumption during pregnancy. The American Journal of Clinical Nutrition, v. 92, n. 5, p. 1234-40, nov. 2010. doi: 10.3945/ajcn.2010.30070

BOKOR, S. et al. Single nucleotide polymorphisms in the FADS gene cluster are associated with delta-5 and delta-6 desaturase activities estimated by serum fatty acid ratios. Journal of Lipid Research, v. 51, n. 8, p. 2325-33, ago. 2010. doi: 10.1194/jlr.M006205

CALDER, P. C. Mechanism so faction of (n-3) fatty acids. The Journal of Nutrition, v. 142, n. 3, p. 592S-9S, mar. 2012.

CAMPOS, A. B. F.; PEREIRA, R. A.; QUEIROZ, J.; SAUNDERS, C. Ingestão de energia e de nutrientes e baixo peso ao nascer: estudo de coorte com gestantes adolescentes. Revista de Nutrição, Campinas, SP, v. 26, n. 5, p. 551-61, set./out. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732013000500006.

HEATON, A. E. et al. Does docosahexaenoic acid supplementation in term infants enhance neuro cognitive functioning in infancy? Frontiers in Human Neuroscience, v. 7, artigo 774, p. 1-12, nov. 2013. https://doi.org/10.3389/fnhum.2013.00774

INNIS, S. M. Dietary omega 3 fatty acids and the developing brain. Brain Research, v. 27, n. 1237, p. 35-43, out. 2008.

JIMENEZ, Y. E.; MANGANI, C.; ASHORN, P.; HARRIS, W. S.; MALETA, K.; DEWEY, K. G. Breast milk from women living near Lake Malawi is high in docosahexaenoic acid and arachidonic acid. Prostaglandins Leukotrienes and Essential Fatty Acids, n. 95, p. 71-8, abr. 2015. doi: 10.1016/j.plefa.2014.12.002

KARR, J. E.; ALEXANDER, J. E.; WINNINGHAM, R. G. Omega-3 polyunsaturated fatty acids and cognition through out the life span: a review. Nutritional Neuroscience, v. 14, n. 5, p. 216-25, set. 2011. doi: 10.1179/1476830511Y.0000000012

LEPAGE, G.; ROY, C. C. Direct transesterification of all classes of lipids in a one- stepreaction. Journal of Lipid Research, v. 27, n. 1, p. 114-20, ja. 1986.

LOTTENBERG, A. M. P. Importância da gordura alimentar na prevenção e no controle de distúrbios metabólicos e da doença cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 53, n. 5, p. 595-607, jul. 2009.

MARTIN, C. A. Trans polynsaturated fatty acid contents in Brazilian refined soybean oil. Analytical Sciences, v. 22, n. 4, p. 631-3, abr. 2006.

OLIVEIRA, F. B.; MIRANDA, A. S.; VIANA JÚNIOR, N. M.; SANTANA, R. F. Qualidade microbiológica de farinhas de linhaça dourada e marrom. UNOPAR Científica, Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, PR, v. 17, n. 3, p. 173-80, jul. 2015.

PERINI, J. A. L. et al. Omega-3 and omega-6 polyunsaturated fattyn acids: metabolism in mammalsand immune response. Revista de Nutrição, Campinas, SP, v. 23, n. 6, p. 1075-86, nov./dez. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732010000600013

SIMOPOULOS, A. P. Omega-3 fatty acids in inflammatory and autoimmune diseases. Journal of the American College of Nutrition, v. 21, n. 6, p. 495-505, dez. 2002.

SHERRY, C. L.; OLIVER, J. S.; MARRIAGE, B. J. Docosahexaenoic acid supplementation in lactating women increases breast milk and plasma docosahexaenoic acid concentrations and alters infant omega 6:3 fatty acid. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids, v. 95, p. 63-9, abr. 2015. https://doi.org/10.1016/j.plefa.2015.01.005

TORRES, A. G.; TRUGO, N. M. F. Evidence of inadequate docosahexaenoic acid status in Brazilian pregnant and lactating women. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 359-68, abr. 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000200018.

Publicado
2018-10-05