O Indicador de Desenvolvimento Regional no Território do Tocantins

Palavras-chave: Indicador de desenvolvimento regional (IDR), território do Tocantins, desigualdades sociais e econômicas.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar o desenvolvimento regional do Estado do Tocantins, a partir da elaboração do Indicador de Desenvolvimento Regional (IDR) entre 2000 e 2010, com dados secundários coletados. Os principais resultados sugerem que no IDR do território do Estado do Tocantins, que possuía 139 municípios em 2000, apenas 15 foram classificados como polos de desenvolvimento, 34  em estágio intermediário e 90  em estágio retardatário. Conclui-se que houve melhoria no IDR em todo território do Tocantins, no entanto, nos municípios localizados ao longo da BR-153 (Belém-Brasília), as atividades econômicas mostraram-se mais dinâmicas.

 

Biografia do Autor

Nilton Marques Oliveira, Universidade Federal do Tocantins - UFT
Doutor em  Desenvolvimento Regional e Agronegócio pela Universidade Estadual do Oeste  do Paraná - UNIOESTE, Toledo - PR. Mestre em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa - UFV e Graduado  em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Maringá - UEM.  Professor  do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional e do curso de Ciências Econômica da Universidade Federal do Tocantins - UFT.  Bolsista do Programa Institucional Produtividade em Pesquisa da UFT. Pesquisador dos Grupos de Estudos em Economia Aplicada e Interdisciplinar de Estudos e Pesquisa sobre Estado, Educação e Sociedade (Geipees) da Universidade Federal do Tocantins.Diretor de Avaliação da Pró-Reitoria de Avaliação e Planejamento - PROAP/UFT de 2008 a 2012 . Área de Pesquisa: Desenvolvimento Regional, com ênfase em  economia regional e urbana, pobreza, desigualdades, análise regional e Economia do Tocantins. Possui diversos artigos e textos publicados em eventos  e periódicos nacionais e internacionais.
Moacir Piffer, Universidade Estadual do Oeste do Paraná-UNIOESTE
Economista, doutor em Desenvolvimento Regional, professor adjunto da UNIOESTE, Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, membro do Grupo de Pesquisa em Agronegócio e Desenvolvimento Regional (GEPEC). Toledo – PR.
Udo Strassburg, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
Doutor  em Desenvolvimento Regional e Agronegócio na Unioeste – Toledo – PR, Professor do Curso de Ciências Contábeis da Unioeste – Cascavel – PR. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Contabilidade e Controladoria. Cascavel-PR.

Referências

BOISIER, S. Desarrollo (Local): ¿ de qué estamos hablando? In: BECKER, D. F.; BANDIERA, P. S. (Org.). Desenvolvimento local-regional: determinantes e desafios contemporâneos. Santa Cruz do Sul, RS: Edunisc, 2000. v. 1.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Crescimento e desenvolvimento econômico. BRESSERPEREIRA Website, 2008. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/Papers/2007/07.22.CrescimentoDesenvolvimento.Junho19.2008.pdf. Acesso em: 10 mar. 2016.

COASE, R. H. The nature of the firm. Economic. New Series, v. 4, n. 16, p. 386-405, nov. 1937. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1468-0335.1937.tb00002.xAcesso em: 20 jan. 2016.

ONAB. Levantamentos de safras, 2013/2014. Disponível em: http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1253&t=/. Acesso em: 18 maio 2016.

FERRERA DE LIMA, J.; ALVES, L. R.; EBERHARDT, P. H. C.; BIANCO, T. S. Mensurar as desigualdades regionais no Brasil: proposta metodológica. In: ETGES, V. E.; AREND, S. C. (Org.). CEPAL: leituras sobre o desenvolvimento latino-americano. Santa Cruz do Sul, RS: Edunisc, 2010. p. 270-90.

FIETO. Incentivos Fiscais do Tocantins 2010. Palmas: FIETO, 2010. 40p. Disponível em: http://www.fieto.com.br/. Acesso em: 27 abr. 2016.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro internacional Celso Furtado, 2009. 234p.

GUALDA, N. L. O Índice de Desenvolvimento Regional como fator de identificação de polos de crescimento regionais – uma tentativa de identificação para a economia paranaense. In: ENCONTRO DE ECONOMIA PARANAENSE, 2., 2003, Maringá, PR. Anais [...]. Maringá, PR: TAC – Multimídia, 2003. p. 566-83.

GUALDA, N. L. IDR – Proposta Metodológica. Texto para Discussão n. 15. Programa de Mestrado em Economia. Maringá, PR: Universidade Estadual de Maringá, 1995.

HAESBAERT, R. Territórios alternativos, 2. ed, 2. impressão. São Paulo: Contexto, 2009. 186p.

HAESBAERT, R. Des-territorialização e identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói, RJ: EDUFF, 1997.

IBGE. Contas Regionais do Brasil, 2014. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em: 25 abr. 2016.

IBGE. Censos Demográficos, Econômicos e Agropecuários, 2000 e 2010. Biblioteca digital. Rio de Janeiro. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 20 fev. 2014

IPEADATA. Base de dados sociais e econômico entre 2000 e 2010. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/. Acesso em: 20 mar. 2016.

LOPES, A. S. Desenvolvimento regional: problemática, teoria e modelos. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

MTE. Relação Anual de Informações Sociais, 2000, 2010 e 2013. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/rais/. Acesso em: 18 ago. 2016.

NORTH, D. C. Custos de transação, instituições e desempenho econômico. São Paulo: Instituto Liberal, 1994.

NORTH, D. C. Institutions. Journal of Economic Perspectives, v. 5, n. 1, p. 97-112, 1991.

OLIVEIRA, C. Desigualdades regionais no Rio Grande do Sul: um enfoque da nova geografia econômica. Revista Redes, Santa Cruz do Sul, RS, v. 10, n. 2, p. 93-116, maio/ago. 2005. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/11070

PERROUX, F. O conceito de polos de crescimento. In: SCHWARTZMAN, S. (Org.). Economia regional: textos escolhidos. Belo Horizonte: CEDEPLAR, 1977.

PNUD. Relatório do Desenvolvimento Humano (RDH), 2000, 2010. Disponível em: http://hdrstats.undp.org/en/indicators/103106.html. Acesso em: 27 jan. 2015.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. Tradução Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

RODRIGUES, K. F.; FERRERA DE LIMA, J. Índice de desenvolvimento regional sustentável: uma análise das mesorregiões do Estado do Paraná no período de 2002 a 2008. Revista Geografar, Curitiba, PR, v. 8, n. 1, p. 175-202, jun. 2013.

SAQUET, M. A. Os tempos e os territórios da colonização italiana. Porto Alegre, RS: EST Edições, 2003.

SEFAZ-TO. Arrecadação de tributos municipais. Disponível em: http://sefaz.to.gov.br/. Acesso em: 4 maio 2016.

SEPLAN-TO. Informações Econômicas do Estado do Tocantins. Palmas, TO, 2012. Disponível em: http://www.sefaz.to.gov.br/seplan/. Acesso em: 5 maio 2016.

SPOSITO, E. S. Contribuição à metodologia de ensino do pensamento geográfico. 2000. Presidente Prudente, SP: FCT/UNESP, 2000. (Tese de Livre Docência).

ZAOUAL, H. Nova economia das iniciativas locais: uma introdução do pensamento pós-global. Tradução Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A/Consulado Geral da França/COPPE/UFRJ, 2006.

Publicado
2019-03-21