O conflito resultante do licenciamento ambiental: o cenário das pequenas centrais hidrelétricas no Paraná

  • Flavia de Faria Gomes Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Christian Luiz da Silva Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Palavras-chave: licença ambiental, hidroelétrica, conflito ambiental.

Resumo

O estudo visa à dinâmica da controvérsia em torno do licenciamento ambiental de pequenas centrais hidroelétricas (PCHs) no Paraná. Caracteriza-se como qualitativo, baseado em estudos de caso – com informações provenientes de estudos do Instituto Ambiental do Paraná, da Agência Nacional de Energia Elétrica e da mídia local. Verifica-se, em suma, que o problema não está sobre a capacidade do licenciamento, mas na incapacidade de gestão deste, ou seja, está sobre os seus gestores; e que a identificação do arranjo institucional demonstra as possibilidades de melhoria do instrumento.

Biografia do Autor

Flavia de Faria Gomes, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade, na Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Christian Luiz da Silva, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Pós-doutor em Adm pela USP, doutor em engenharia de produção, economista, professor do PPGTE, do PGP e do Departamento de Gestão e Economia da UTFPR

Referências

ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, H. (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Fundação Heinrich Böll, 2004.

BERMANN, C. Impasses e controvérsias da hidreletricidade. Estudos avançados, São Paulo, v. 21, n. 59, p. 139-53, 2007.

BRASIL. Lei Federal n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm>. Acesso em: 20 mar. 2016.

CIA AMBIENTAL. Estudo de Impacto Ambiental da pequena central hidrelétrica Água Limpa. In: Instituto Ambiental do Paraná. Estudos Ambientais Preliminares / Editais aberturas de prazos – 2012. Estudo n. 64, 2012. Disponível em: <http://www.iap.pr.gov.br/pagina-1462.html>. Acesso em: 6 fev. 2017.

FLEURY, L. C.; ALMEIDA, J. P. de. A construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte: conflito ambiental e o dilema do desenvolvimento. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 16, n. 4, p. 141-58, out./dez. 2013.

GAZETA DO POVO. Fundação quer impedir obra de PCH, 2014. Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/fundacao-quer-impedir-obra-de-pch-ecg7suiu6gvfla2bp96wzrtxq>. Acesso em: 15/05/2016.

HERNANDEZ, F. del M. Amazônia, fronteiras econômicas e a sustentabilidade do licenciamento ambiental em grandes projetos. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, v. 11, n. 22, p. 73-98, 2015.

INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO (LACTEC). Relatório de impacto ambiental da pequena central hidrelétrica Dois Saltos. In: Instituto Ambiental do Paraná. Estudos Ambientais Preliminares / Editais aberturas de prazos – 2011. Estudo n. 50, 2011. Disponível em: <http://www.iap.pr.gov.br/pagina-1463.html>. Acesso em: 6 fev. 2017.

LIMA ANDRADE, A. de; SANTOS, M. A. dos. Hydroelectric plants environmental viability: strategic environmental assessment application in Brazil. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 52, p. 1413-23, 2015.

LITTLE, Paul E. Os conflitos socioambientais: um campo de estudo e de ação política. In: BURSZTYN, Marcel. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. p. 107-22.

NASCIMENTO, E. P. do. Os conflitos na sociedade moderna: uma introdução conceitual. In: BURSZTYN, Marcel. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais, Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

OLIVEIRA, C. M. de; REBELLO, F. K.; SANTOS, M. A. S. dos; SANTANA, A. C. de. Usina hidrelétrica de Belo Monte: percepções dos atores locais quanto aos impactos socioeconômicos e ambientais. Espacios, Caracas, v. 37, n. 12, p. 5, 2016.

PIAGENTINI, P. M.; FAVARETO, A. S. Instituições para regulação ambiental: o processo de licenciamento ambiental em quatro países produtores de hidreletricidade. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 30, p. 31-43, 2014.

SCHAEFFER, C.; SMITS, M. From matters of fact to places ofconcern? Energy, environmental movements and place-making in Chile and Thailand. Geoforum, v. 65, p. 146-57, 2015.

SICILIANO, G.; URBAN, F.; KIM, F.; LONN, P. D. Hydropower, social priorities and the rural-urban development divide: the case of large dams in Cambodia. Energy Policy, v. 86, p. 273-85, 2015.

TEIXEIRA, D. M. Os procedimentos do licenciamento ambiental. Boletim científico - Escola Superior do Ministério Público da União, Brasília, DF, ano 9, n. 32/33, p. 37-69, jan./dez. 2010.

THEODORO, S. H. (Org.). Mediação de conflitos socioambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

TSOUTSOS, T.; MARIA, E.; MATHIOUDAKIS, V. Sustainable siting procedure of small hydroelectric plants: The Greek experience. Energy Policy, v. 35, n. 5, p. 2946-59, 2007.

ZHOURI, A. (Org.). As tensões do lugar – hidrelétricas, sujeitos e licenciamento ambiental. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Publicado
2017-09-21