Análise do fluxo de Água virtual: uma abordagem a partir da balança comercial de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave: economia ambiental, Mato Grosso do Sul, água virtual.

Resumo

A alocação dos recursos hídricos tem despertado a atenção dos mais diversos segmentos da sociedade moderna. Geralmente, em regiões caracterizadas pela agropecuária, como é o caso do estado de Mato Grosso do Sul (MS), o uso da água no processo de produção se torna mais intensivo, de forma a refletir na utilização dos recursos naturais. A ideia de “água virtual” baseia-se no conceito de água embutida nos produtos, e tem despertado crescente interesse da comunidade nacional e internacional tendo em vista a necessidade de aprimorar a gestão dos recursos hídricos. Sendo assim, o objetivo principal deste artigo é analisar o saldo de água virtual decorrente do comércio internacional do Estado sul-mato-grossense e o resto do mundo, de forma a verificar o saldo superavitário ou deficitário em relação aos seus principais produtos comercializados no exterior. Para verificar se o balanço virtual de água é favorável ou desfavorável ao Estado, devem-se mensurar as relações de troca no comércio produto a produto utilizando-se a metodologia do cálculo da Pegada Hídrica proposta por Hoekstra et al. (2011) bem como dos indicadores de encadeamento para trás e para frente definidos pela matriz de insumo-produto a fim de entender o comportamento da demanda de água na economia do Estado. Os resultados apontam para um déficit no balanço das transações de água entre esse Estado e as demais economias com que comercializa seus produtos.

Biografia do Autor

Adriana Kirchof de Brum, Universidade Federal da Grande Dourados

Possui graduação em Ciencias Economicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2001), mestrado em Economia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005) e doutorado em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010). Atualmente é professora e pesquisadora da Universidade Federal da Grande Dourados , atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas, desenvolvimento regional, economia brasileira e economia institucional.

 
Daniel Massen Frainer, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2000), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004) e doutorado em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Métodos e Modelos Matemáticos, Econométricos e Estatísticos, atuando principalmente nos seguintes temas: Mato Grosso do Sul, Desenvolvimento Regional, Economia Industrial, Mercado de Trabalho e Meio Ambiente. Atualmente desenvolvendo projetos relacionados com o tema de Matriz de Insumo-Produto Regional.

 
Celso Correia Souza, Uniderp-Anhaguera
Possui graduação em Matemática pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Penápolis (1972); mestrado em Matemática Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (1985) e; doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (1994). É professor aposentado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Campus de Três Lagoas, MS. Atualmente, é professor doutor da Universidade Anhanguera Uniderp, Campus de Campo Grande, MS. É professor do Curso de Matemática e dos Mestrados em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, Produção e Gestão Agroiondustrial e do Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Universidade Anhanguera Uniderp de Campo Grande (MS). Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Probabilidade e Estatística Aplicadas, Otimização e Pesquisa Operacional e Controle Automático de Sistemas. É pesquisador da Fundação Manoel de Barros (FMB) e do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (NEPES) que calcula a Inflação da cidade de Campo Grande (MS).
José Francisco dos Reis Neto, Uniderp-Anhanguera
Engenheiro Eletricista pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1974), Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000) e doutorando em Administração e Economia com ênfase em Marketing na Universidad de Salamanca (2006), Espanha. É pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais - NEPES. Foi coordenador do curso de administração, ensino à distância, da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Organizações e Marketing, atuando principalmente nos seguintes temas: marketing, estratégia e inovação da micro e pequena empresa, avaliação da opinião pública, desempenho do comércio varejista, cálculo e evolução da inflação campo-grandense

Referências

ALLAN, J. A. Virtual water: the water, food and trade nexus, useful concept or misleading metaphor? IWRA, Water International, v. 28, n. 1, p. 4-11, mar. 2003. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/119e/706b7fe912aa235f74d85d5635ca8c125721.pdf

ANA. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil: 2013. Brasília: Agência Nacional de Águas – ANA, 2013. Disponível em: http://arquivos.ana.gov.br/institucional/spr/conjuntura/webSite_relatorioConjuntura/projeto/index.html. Acesso em: 29 abr. 2014.

BANCO MUNDIAL. Renewable internal freshwater resources, total (billion cubic meters). 2014. Disponível em: https://data.worldbank.org/indicator/ER.H2O.INTR.K3?view=chart

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Pantanal. Brasília, DF: MMA, 2016. Disponível em: http://www.mma.gov.br/biomas/pantanal.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Projeções do Agronegócio: Brasil 2014/2015 a 2024/2025, projeções de longo prazo. Brasília, DF: MAPA, 2015.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio MDIC. Estatísticas de Comércio Exterior. [s.d.]. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior

CARMO, R. L.; OJIMA, A. L. R. O.; OJIMA, R.; NASCIMENTO, T. T. Água virtual, escassez e gestão: o Brasil como grande exportador de água. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, v. 10, n. 2, P. 83-96, 2007.

DUARTE, R.; YANG, H. Input-output and water: introduction to the special issue. Economic Systems Research, v. 23, n. 4, p. 341-51, out. 2011.

FAO. Water at a glance. The re-lationship between water, agriculture, food security and poverty. 2007. Disponível em: http://www.fao.org/3/ap505e/ap505e.pdf

HIRSCHMAN, A. The strategy of economic development. New Haven, Connecticut, EUA: Yale University Press, 1958. (Cap. 6).

HOEKSTRA, A. Y.; HUNG, P. Q. Virtual water trade: a quantification of virtual water flows between nations in relation to international crop trade. Value of Water Research Report Series n. 11. Delft, The Netherlands: IHE, 2002. Disponível em: https://waterfootprint.org/media/downloads/Report11_1.pdf.

HOEKSTRA, A. Y. et al. Manual de avaliação da pegada hídrica. Estabelecendo o padrão global. Tradução Solução Supernova. Revisão da tradução Maria Cláudia Paroni. 2011. Disponível em: http://ayhoekstra.nl/pubs/Hoekstra-et-al-2013-ManualDeAvaliacaoDaPegadaHidrica.pdf

HOEKSTRA, A. Y. Sustainable, efficient, and equitable water use: the three pillars under wise freshwater allocation. Wiley Periodicals, 2013. Disponível em: https://waterfootprint.org/media/downloads/Hoekstra-2013-Sustainable-efficient-equitable-water-use.pdf

IBGE. Produção Agrícola Municipal - PAM. 2003-2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IBGE. Produção Agrícola Municipal - PAM. 2002-2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

IMASUL. Gestão ambiental em Mato Grosso do Sul: conceitos e práticas. Eliane Crisóstomo Dias Ribeiro de Barros e Eliane Maria Garcia (Org.). Dourados, MS: Editora UEMS, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE FLORESTAS. Bioma Mata Atlântica. Brasília, DF, 2016. Disponível em: http://www.ibflorestas.org.br/bioma-mata-atlantica.html.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE. Perfil Estatístico de Mato Grosso do Sul 2015: ano base: 2014. Campo Grande, MS: SEMADE, 2015.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia e Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - SEMAC. Plano estadual de recursos hídricos de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: Editora UEMS, 2010.

MEKONNEN, M. M.; HOEKSTRA, A. Y. The green, blue and grey water footprint of crops and derived crop products. Hydrology and Earth System Sciences, n. 15, 2011. Disponível em: https://waterfootprint.org/media/downloads/Mekonnen-Hoekstra-2011-WaterFootprintCrops_2.pdf

RASMUSSEN, P. N. Studies in intersectorial relations. Amsterdã, North Holland: [s.n.], 1956. (Cap. 8).

WIEDMANN, T.; LENZEN, M.; TURNER, K.; BARRETT, J. Examining the global environmental impact of regional consumption activities – Part 2: review of input-output models for the assessment of environmental impacts embodied in trade. Ecological Economics, v. 61, n. 1, p. 15-26, fev. 2007.

Publicado
2019-03-21