Inovação e os efeitos sobre a dinâmica de mercado: uma síntese teórica de Smith e Schumpeter

  • Matheus Silva de Paiva Universidade Católica de Brasília
  • George Henrique de Moura Cunha Universidade Católica de Brasília
  • Celso Vila Nova Souza Junior Universidade Católica de Brasília
  • Michel Constantino Universidade Católica Dom Bosco
Palavras-chave: inovação, capitalismo, teoria econômica.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo realizar uma resenha dos conceitos de relativos à inovação e a empresário, bem como investigar como produzem efeitos sobre o capitalismo, em Adam Smith e Schumpeter. Logo, parte-se de Adam Smith, com seus conceitos de “capitalista” e “divisão do trabalho”, comparando-os com “inovação” e “empreendedor” de Joseph Schumpeter. Este trabalho é significativo, porquanto a inovação é a chave para se compreender a evolução do sistema capitalista e, portanto, ajuda a compreender os efeitos de políticas públicas de inovação no sistema capitalista brasileiro.

Biografia do Autor

Matheus Silva de Paiva, Universidade Católica de Brasília
Doutorando em Economia pela Universidade de Brasília - UNB
George Henrique de Moura Cunha, Universidade Católica de Brasília

Doutor em Economia pela Universidade de Brasília - UNB

Mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Celso Vila Nova Souza Junior, Universidade Católica de Brasília
Doutor em Economia pela Universidade de Brasília - UNB
Michel Constantino, Universidade Católica Dom Bosco
Doutor em Economia pela Universidade de Católica de Brasília - UCB

Referências

AFANASIEFF, T. S.;, LHACER, P. M.; NAKANE, M. I. The determinants of bank interest spread in Brazil. Money Affairs, v. XV, n. 2, p.183-207, 2002.

AIDAIR, M. M. Empreendedorismo. 1. ed. São Paulo: Thomson, 2007.

BELAISCH, A. Do Brazilian banks compete? IMF Working Paper WP/03/113, 2003.

BLAUG, M. Economic theory in retrospect. 4. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

CROITORU, A. Schumpeter, J.A., 1934 (2008), The Theory of Economic Development: an inquiry into profits, capital, credit, interest and the business cycle, translated from the German by Redvers Opie, New Brunswick (U.S.A) and London (U.K.): transaction publishers: a review to a book that is 100 years old. Journal of Comparative Research in Anthropology and Sociology, v. 3, n. 2, 2012.

FINEP. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Brasília, 1997.

HEERTJE, A. Schumpeter, Joseph Alois (1883-1950). In: DURLAUF, Steven N.; BLUME, Lawrence E. (Ed.). The New Palgrave Dictionary of Economics. 2. ed. Basingstoke, Reino Unido: Palgrave Macmillan, 2008.

HISRICH, R. D.; PETERS, M. P. Empreendedorismo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

HOLLAND, M. Por que as taxas de juros reais são tão elevadas no Brasil. Boletim Economia & Tecnologia, v. 4, n. 2, p. 27-42, 2006.

INNOVATION. Dictionary.com Unabridged. [s.d.]. Random House, Inc. Disponível em: <http://www.dictionary.com/browse/innovation>. Acesso em: 10 maio 2017.

MANKIW, N. G. Principles of economics. 7. ed. Boston, EUA: Cengage Learning, 2015.

MARTES, A. C. B. Weber e Schumpeter: A ação econômica do empreendedor. Revista de Economia Política, vol. 30, n. 2 (118), pp. 254-270, abril-junho, 2010.

MCCRAW, T. K. O Profeta da Inovação: Joseph Schumpeter e a Destruição Criativa. Rio de Janeiro: Record, 2012.

NAKANE, M. I. Concorrência e spread bancário: uma revisão da evidência para o Brasil. In: BANCO CENTRAL DO BRASIL. juros e spread bancário no Brasil: avaliação de 4 anos do projeto. Brasília: Banco Central do Brasil, 2003. p. 58-67.

NATHAN, R. Exploring the black box: technology, economics and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. p. 27-38.

NEVES, A. L.; PAULA, L. F. R.; SILVA, G. J. C.; OREIRO, J. L. C.; AMARAL, R. Q. Por que o custo de capital no Brasil é tão alto? Texto para Discussão – Anpec, 2007.

PEÑALOZA, R. Reflexões sobre o lucro segundo Schumpeter, Clark, Knight e Kirzner. 2016. Disponível em: <https://medium.com/@milesmithrae/reflex%C3%B5es-sobre-o-lucro-segundo-schumpeter-clark-knight-e-kirzner-rodrigo-pe%C3%B1aloza-24-iv-2016-a74ef72b9d49#.a0x7kjgrl>002E

REBELO, S. Real business cycle models: past, present and future. Scandinavian Journal of Economics, v. 107, n. 2, p. 217-38, 2005.

RODRÍGUEZ-CLARE, A. The division of labor and economic development. Journal of Development Economics, v. 49, n. 1, p. 3-32, abr. 1996.

ROESE, A.; BINOTTO, E.; BÜLLAU, H. Empreendedorismo e a Cultura Empreendedora: um estudo de caso no Rio Grande do Sul. II Seminário de Gestão de Negócios. FAE Centro Universitário. Blumenau, 2005. Disponível em: <http://www.ceap.br/material/MAT28042012162613.pdf>. Acesso em: agosto de 2017.

SCHUMPETER, J. A. A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucro, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1982.

SCHUMPETER, J. A. Capitalism, socialism and democracy. New York: Harper and Brothers, 1961.

SILVA, G. J. C.; OREIRO, J. L.; PAULA, L. F. R. Comportamento do spread bancário no Brasil: uma avaliação empírica recente. 2006. (mineo.).

ŚLEDZIK, K. Schumpeter’s view on innovation and entrepreneurship. In: HITTMAR, Stefan (Ed.). Management Trends in Theory and Practice. Zilina, Eslováquia: Faculty of Management Science and Informatics, University of Zilina & Institute of Management by University of Zilina, 2013.

SMITH, A. A riqueza das nações. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1996. v. I.

SOLOW, R. M. Technical change and the aggregate production function. The Review of Economics and Statistics, v. 39, n. 3, p. 312-20, 1957.

Publicado
2018-02-16