Dimensões plásticas do voluntariado na heterogeneidade do terceiro setor brasileiro

  • Marina Félix de Melo Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: voluntariado, ONGs, terceiro setor, profissionalização, instituições.

Resumo

O presente texto trata do voluntariado como chave analítica no entendimento das Organizações Não-Governamentais frente às interações de uma agência representativa de diversos papéis sociais de trabalho. Buscamos apresentar o voluntariado dentro de algumas contradições que lhes são inerentes em um terceiro setor heterogêneo, aqui chamado de plástico, mutável, bem como pensar sobre suas dimensões instrumentais e substantivas refletidas naqueles que o executam, assim como nas organizações que fomentam sua prática.

Biografia do Autor

Marina Félix de Melo, Universidade Federal de Alagoas
Marina Melo é Professora Adjunta do Instituto de Ciências Sociais e Vice-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Doutora em Sociologia pelo PPGS da Universidade Federal de Pernambuco, em co-tutela com o Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, Portugal. Desenvolveu tese de doutorado sobre a Profissionalização nas Organizações Não-Governamentais e dissertação de mestrado (2009) sobre a Missão das ONGs. Sua graduação é em Ciências Sociais (2006), com tema de pesquisa também focado no Terceiro Setor. Atualmente, dedica-se à produção de estudos acerca do campo das metodologias científicas e dos métodos e técnicas de pesquisa em sociologia. 

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei n. 9.608, de 18 de fevereiro de 1998. Lei do Voluntariado. Brasília, 1998.

BUCCI, Eugênio. A solidariedade que não teme aparecer: ou o voluntariado para ajudar a quem ajuda. In: BUCCI, E.; KEHL, M. R. Videologias. São Paulo: Boitempo, 2005. p. 180-7.

CAIRO; Nanci Garcia; MENDES, Karla Losse. Terceiro setor, responsabilidade social e voluntariado. Psicologia Argumento, Curitiba, PR, v. 23, n. 42, p. 11-4, jul./set. 2005. Disponível em: <http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=172&dd99=view&dd98=pb>.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Gerência do Cadastro Central de Empresas. As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil: 2005. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. (Estudos e Pesquisas. Informação econômica).

LANDIM, Leilah. Para além do mercado e do Estado? Filantropia e cidadania no Brasil. Rio de Janeiro: ISER, 1993a.

______. A invenção das ONGs: do serviço invisível à profissão sem nome. 1993. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 1993b.

LIMA, Vilma Soares de. Dádiva e voluntariado: ações de apoio junto a portadores de câncer. 2004. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de Permambuco (UFPE), Recife, PE, 2004.

LOPES, Nilza. A migração de profissionais para o terceiro setor. 2012. Disponível em: <https://pt.scribd.com/document/41085982/A-migracao-de-profissionais-para-o-Terceiro-Setor>.

MARCOVITCH, Jacques. Da exclusão à coesão social: profissionalização do terceiro setor. In: IOSCHPE, Berg. Terceiro setor e desenvolvimento social sustentado. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz E Terra, 1997.

REGO, Raquel. A profissionalização do terceiro sector: o caso do associativismo. In: ALMEIDA, Paulo P.; FREIRE, João. Trabalho moderno, tecnologia e organizações. Porto, Portugal: Afrontamento, 2010.

REIS, Elisa. Novas formas de relacionar autoridade e solidariedade: questões teóricas e empíricas. In: Sociologia & Antropologia, v. 1, n. 1, p. 91-118, 2011.

SANTIAGO, Rui; CARVALHO, Teresa. Mudanças na profissão acadêmica: uma perspectiva comparativa. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL GRUPOS PROFISSIONAIS, PROFISSIONALISMO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO: TENDÊNCIAS, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS , 3. Anais... Aveiro, Portugal. 2010.

SVENSSON, Lennart G. New professionalism, trust and competence: some conceptual remarks and empirical data. Current Sociology, v. 54, n. 4, p. 579-93, jun. 2006.

Publicado
2018-02-16