Disseminação do ódio nas mídias sociais: análise da atuação do <em>social</em> media

  • Marluci Stein UniRitter
  • Cristine Hermann Nodari Feevale
  • Julice Salvagni Unisinos
Palavras-chave: mídias sociais, ódio, internet, cibercultura, interatividade.

Resumo

Neste artigo, aborda-se a disseminação do ódio nas mídias sociais sob o ponto de vista de quem gerencia as plataformas na web. Em um estudo de caso com entrevista semiestruturada de sete profissionais, analisou-se como os responsáveis por administrar páginas na internet agem diante de comentários negativos que incitem o ódio. Os resultados apontaram conteúdos mais suscetíveis e o desconhecimento dos profissionais quanto a regras específicas na hora de interagir com haters e usuários. 

Biografia do Autor

Marluci Stein, UniRitter
Graduada em Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo, com ênfase em Gestão da Comunicação, Especialista em Comunicação Estratégica e em Marketing.
Cristine Hermann Nodari, Feevale
Pós-Doutorado em Inovação pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (PNPD/CAPES). Doutora em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Brasil e pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) Brasil, Bolsista do Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições de Ensino Particulares da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (PROSUP/CAPES). Mestra em Administração pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), Brasil. Especialista em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) Brasil. Graduação em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).
Julice Salvagni, Unisinos
Pós-Doutora, Programa Nacional de Pós-Doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (PNPD/CAPES). Doutora em Sociologia (UFRGS/CAPES - 2012). Mestre em Ciências Sociais (Unisinos- 2011), Especialista em Gestão Empreendedora (Ftec- 2009) e Psicóloga (Unisinos- 2007). 

Referências

AMARAL, A.; MONTEIRO, C. “Esses Roquero não curte”: performance de gosto e fãs de música no Unidos Contra o Rock do Facebook. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 446-71, maio/ago. 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de L. de A. Rego e A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2006.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013.

______. A sociedade em rede - a era da informação. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2012. v. 1.

______. Comunicació i poder. Barcelona: UOC Editorial, 2009.

______. Comunicação, poder e contra-poder na sociedade em rede. Jornal Internacional de Comunicação, v. 1, n. 1, p. 29, 2007.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Tradução de L. de O. Rocha. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DAHLGREN, P. The internet, public spheres and political communication: dispersion and deliberation. Political Communication, New York, v. 22, n. 2, p. 147-62, 2005.

DEGENNE, A.; FORSÉ, M. Les réseaux sociaux: une analyse structurale en sociologie. Paris: Henri Mendras, 1994.

ECO, Umberto. Número zero. Rio de Janeiro: Record, 2015.

ERICKSON, F. Métodos cualitativos de investigación. In: WITTROCK, M. C. La investigación de la ensenanza, II. Barcelona/Buenos Aires/Mexico: Paidos, 1989. p. 195-299.

FENTON, Natalie. The Internet and Radical Politics In: CURRAN, J.; FENTON, N.; FREEDMAN, D. Misundestanding the internet. New York: Routledge, 2012.

FISS, Owen M. A ironia da liberdade de expressão: estado, regulação e diversidade na esfera pública. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

GASKELL, George. “Entrevistas individuais e grupais”. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2. ed. Tradução de Pedrinho Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. p. 64-89.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GOFFMANN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOSCIOLA, Vicente. Roteiro para as novas mídias. Do cinema às mídias interativas. São Paulo: Senac, 2003.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador: Edufba; Bauru, SP: Edusc, 2012.

______. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

LEÃO, Lucia. O labirinto da hipermídia: arquitetura e navegação no ciberespaço. 2. ed. São Paulo: Iluminuras/FAPESP, 2001.

LE BON, Gustave. Psicologia das multidões. [S.l.]: Mem-Martins, Europa América, 1895. Título original “La Psychologie des Foules”.

LEBRUN, J. P. O futuro do ódio. Porto Alegre: CMC, 2008.

LEMOS, André. Espaço, mídia locativa e teoria ator-rede. Galáxia, São Paulo, v. 13, n. 25, p. 52-68, 2013.

______. Anjos interativos e retribalização do mundo: sobre interfaces digitais. 1997. Disponível em: <http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/interativo.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2016.

LUECKE, Richard. Gerenciando a crise. Rio de Janeiro: Record, 2010.

MALINI, Fábio; ANTOUN, Henrique. A internet e a rua: ciberativismo e mobilização nas redes sociais. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MARTELETO, Regina Maria. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da informação, v. 30, n. 1, p. 71-81, 2001.

MEYER-PFLUG, Samantha Ribeiro. Liberdade de expressão e discurso do ódio. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

MOCELLIM, Alan. Lugares, não-lugares, lugares virtuais. Em Tese, Florianópolis, v. 6, n. 3, p. 77-101, jan./jul. 2009.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1978.

PEREIRA, Gustavo. Os 3 estágios das mídias sociais. Porto Alegre: Dinamize, 2011.

PRIMO, Alex. Interação mediada por computador: comunicação, cibercultura, cognição. Porto Alegre: Sulina, 2007.

______. Interação mútua e reativa: uma proposta de estudo. Revista da Famecos, n. 12, p. 81-92, jun. 2000. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/limc/PDFs/int_mutua_reativa.pdf>. Acesso em: 12 maio 2016.

RECUERO, Raquel. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2012.

______. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SALAVERRÍA, Ramón; NEGREDO, Samuel. Periodismo integrado. Convergencia de medios y reorganización de redacciones. Barcelona: Editorial Sol90, 2008.

SOLOVE, Daniel J. O futuro da reputação: fofocas, rumor, e privacidade na internet. New Haven, Connecticut, EUA: Yale University Press, 2007.

TEIXEIRA, Patrícia Brito. Caiu na rede. E agora? Gestão e gerenciamento de crises nas redes sociais. Digitaliza Conteúdo, 2013.

______. Sociedade do risco na sociedade da informação: gestão e gerenciamento de crise nas redes sociais. In: CONGRESSO CIENTÍFICO BRASILEIRO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E DE RELAÇÕES PÚBLICAS (ABRAPCORP), 5., 5-7 maio 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: Editora Schoba, 2011. Disponível em <http://www.abrapcorp.org.br/anais2011/trabalhos/trabalho_patricia.pdf>. Acesso em: 15 maio 2016.

VASCONCELOS, Luciene Ricciotti. Planejamento de comunicação integrada: manual de sobrevivência para as organizações do século XXI. São Paulo: Summus Editorial, 2009.

WOLTON, Dominique. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010.

YIN, Robert K. Estudo de caso – planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Publicado
2018-02-16