O processo produtivo artesanal analisado sob o enfoque de inovações sociais: um estudo de caso na cadeia produtiva da moda

  • Aline Silva Autran de Morais Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
  • Simone Sehnem Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Aléssio Bessa Sarquis Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
  • Taisa Dias Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Palavras-chave: inovações sociais, cadeia produtiva de moda, artesãos.

Resumo

Este artigo analisa se, na relação entre a rede de produção com artesãos, no contexto da cadeia têxtil da empresa Catarina Mina, há promoção do bem-estar e geração de mudança qualitativa na comunidade das artesãs locais pelo incentivo e apoio ao trabalho manual. Os resultados indicam que, embora tenha alguma inovação, o projeto não pode ser enquadrado no conceito da inovação social, por ter forte dependência da gestora, não atender plenamente os requisitos necessários e por ainda não promover o empowerment e a transformação da comunidade.

Biografia do Autor

Aline Silva Autran de Morais, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL

Mestre em Administração na Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL.

Bolsa CAPES (2015).

Projeto aprovado, Edital FAPESC n. 09/2015

Projeto aprovado Edital GR No 741/2015 - Pibiti/CNPq e Agetec/Unisul, Proc. 160. (2015 - 2016). Estágio de docência em Marketing no curso de Relações Internacionais (2016).

MBA em Gestão Empresarial (Major) e Marketing de Serviços (Minor) na ESPM de Porto Alegre. Concluído em Jul/2008.

MBA em Gestão em Varejo - FGV/SP in Company - ministrado em Porto Alegre. Concluído em Ago/2003.

Especialização em Marketing - FGV/RJ ministrado em Porto Alegre. Concluído em Ago/1999.

Graduação em Comunicação Social pela UFRGS (1994).

Experiência na área de Administração, com ênfase em Varejo, tendo trabalhado por mais de 20 anos no setor de Compras das Lojas Renner como Gerente de Produto, Gerente de Sourcing e Gerente de Gestão de Fornecedores e como Gerente de Supply e Operações Internacionais na Uatt.

Simone Sehnem, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
Doutora em Administração e Turismo pela UNIVALI. Professora no Mestrado de Administração – UNISUL e Professora Titular - UNOESC.
Aléssio Bessa Sarquis, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
Doutor em Administração pela FEA/USP. Professor no Mestrado de Administração – UNISUL
Taisa Dias, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutora em Administração pela UFSC. Professora UFSC.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BIGNETTI, Luiz Paulo. As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 47, n. 1, p. 3-14, jan./abr. 2011.

CATARINA MINA. [s.d.]. Disponível em: <http://www.catarinamina.com/sobre-pg-3249f>. Acesso em: 10 jul. 2015.

Chiavenato, Idalberto. Princípios da Administração: o essencial em teoria geral da administração. 2. ed. Barueri, SP : Manole, 2012.

CLOUTIER, J. Qu’est-ce que l’innovation sociale? In: CRISES - Centre de Recherche Sur Les Innovations Sociales. Les Cahiers du CRISES. Québec, 2003. Disponível em: <https://crises.uqam.ca/upload/files/publications/etudes-theoriques/CRISES_ET0314.pdf>.

COUTINHO, L.; FERRAZ, J. C. (Coord.). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Relatório Final. IE/UNICAMP - IEI/UFRJ - FDC - FUNCEX, 1993. Disponível em: <http://livros01.livrosgratis.com.br/ci000038.pdf>. Acesso em: 3 ago. 2015

Creswell, J. W. Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre, RS: Artmed, 2010.

DUARTE, M. F.; SILVA, A. L. A experimentação do risco na carreira criativa: o caso de mestres da cultura do artesanato cearense. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM), v. 12, n. 2, p. 22-38, maio/ago. 2013. Disponível em: <http://www.spell.org.br/documentos/ver/11058/>. Acesso em: 7 ago. 2015.

FACHINELLI, Ana Cristina; D’ARISBO, Anelise; MACIEL, Erick de Melo. A importância da inovação social e da economia criativa como indutores para o desenvolvimento sustentável. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), Florianópolis, v. 3, n. 5, p. 276-93, mar./jun. 2014. Disponível em: <http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/IJKEM/article/view/2687/3269>.

Felippsen, B. Sustentabilidade à mão. Revista Especial Fortaleza, abr. 2012.

FREEMAN, C. S. Economia do artesanato. 2011. Disponível em: <http://clairesf.wordpress.com/artigos-2/economia-do-artesanato/> Acesso em: 7 jul. 2015.

GOLDSMITH, S. The power of social innovation: how civic entrepreneurs ignite community networks for Good. San Francisco: Jossey-Bass, 2010. 307p.

ITAITINGA, Governo Municipal [de]. Plano municipal de educação. 2014. Disponível em: <http://www.funcepe.org.br/wp-content/uploads/2015/07/HIST%C3%93RIA-DO-MUNICIPIO-DE-ITAITINGA.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2016.

JULIANI; Douglas Paulesky; JULIANI, Jordan Paulesky; SOUZA, João Artur de; HARGER, Eliza Malucelli. Inovação social: perspectivas e desafios. Espacios, v. 35, n. 5, 2014.

LOURENÇO, Cléria Donizete da Silva. Cultura brasileira e marketing de relacionamento: um estudo etnográfico no varejo. Revista Brasileira de Marketing, v. 13, n. 5, p. 47-64, jul./set. 2014. Disponível em: <http://www.revistabrasileiramarketing.org/ojs-2.2.4/index.php/remark/article/view/2395/pdf_180>.

MAURER, A. M.; SILVA, T. N. Dimensões analíticas para identificação de inovações sociais: evidências de empreendimentos coletivos. Brazilian Business Review, v. 11, n. 6, p. 127-50, 2014.

MELO LISBOA, Armando de. Economia solidária e autogestão: imprecisões e limites. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 45, n. 3, p. 109-15, jul./set. 2005.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC). Portaria n. 29, de 5 de outubro de 2010. Diário Oficial da União, Brasília, n. 192, 6 de outubro de 2010. Seção 1. Disponível em: <http://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=221568> Acesso em: 6 ago. 2015.

MULGAN, Geoff . The process of social innovation. Innovations: Technology, Governance, Globalization, v. 1, n. 2, p. 145-62, 2006. Disponível em: <http://www.mitpressjournals.org/doi/pdf/10.1162/itgg.2006.1.2.145>.

MULGAN, Geoff; TUCKER, Simon; SANDERS, Ben. Social innovation: what it is, why it matters and how it can be accelerated. Skoll Centre for social entrepreneurship. London: The Young Foundation, 2007.

OKADA, Regina Akemi; BERLIM, Lilyan. Design de moda: possibilidades de inovação social e sustentabilidade. Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística, v. 4, n. 2, maio 2014.

PEREIRA, C. J. C. Artesanato: definições, evolução e ação do Ministério do Trabalho; o programa nacional de desenvolvimento do artesanato. Brasília: MTB, 1979. 153p.

RECH, Sandra Regina. Modelo conceitual de análise competitiva em micro e pequenas empresas do setor de confecções. UNOPAR Científica, Revista de Ciências Jurídicas e Empresariais, Londrina, PR, v. 10, n. 1, p. 5-12, mar. 2009.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SAFAR, G. H.; CASTRO, C. G. A contribuição das experiências com projetos artesanais para o desenvolvimento da criatividade e do conhecimento das empresas. Revista Design, Arte, Moda e Tecnologia, São Paulo, 7. ed., nov. 2011. Disponível em: <http://sitios.anhembi.br/damt/?p=239>. Acesso em: 7 ago. 2015.

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Artesanato: um negócio genuinamente brasileiro. Brasília: SEBRAE, 2008. v. 1, n. 1.

UNIETHOS. Sustentabilidade e competitividade na cadeia da moda. São Paulo, maio de 2013. Disponível em: <http://www.abit.org.br/conteudo/links/estudo_sustentabilidade_uniethos.pdf>.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado
2017-09-21