A percepção dos administradores sobre sustentabilidade empresarial

  • Yasmin Gomes Casagranda
  • Leandro Sauer
  • Matheus Wemerson Gomes Pereira
Palavras-chave: Desenvolvimento sustentável. Administrador. Empresa.

Resumo

A pesquisa realizada tem enfoque em como as práticas de adaptação frente à nova realidade sustentável do mercado são percebidas pelos profissionais administradores de Mato Grosso do Sul. Para tanto, foram utilizadas pesquisas e entrevistas com 278 administradores sobre sua visão das práticas. Conclui-se que os principais fatores que inferem na probabilidade de a empresa ser considerada sustentável são os recursos utilizados e a ética organizacional.

Referências

ALMEIDA, Fernando. Experiências empresariais em sustentabilidade: avanços, dificuldades e motivações de gestores e empresas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

ANDRADE, Rui; TACHIZAWA, Takeshy. Gestão socioambiental: estratégias na nova era da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

BRUNDTLAND, G. H. Nosso futuro comum: Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

BUYSSE, Kristel; VERBEKE, Alain. Proactive environmental strategies: a stakeholder management perspective. Strategic Management Journal, v. 24, p. 452-470, 2003.

CALLADO, A. L. Modelo de mensuração de sustentabilidade empresarial: uma aplicação em vinícolas localizadas na serra gaúcha. 2010. 216f. Tese (Doutorado em Agronegócios) – Centro de Estudos e Pesquisa em Agronegócios, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2010.

GUJARATI, D. N. Econometria básica. São Paulo: MAKRON Books, 2000. 845p.

HAIR, J. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HART, Stuart. A Natural-Resource-Based view of the firm. The Academy of Management Review, v. 10, n. 4, p. 986-1014, 1995.

HART, S. L.; MILSTEIN, M. B. Criando valor sustentável. RAE Executivo, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 65-79, maio/jul. 2004.

HALWEIL, B.; NIERENBERG, D. Charting a new path to eliminating hunger. In: THE WORLDWATCH INSTITUTE. State of the world: innovations that nourish the planet. New York: W.W. Norton & Company, 2011. Disponível em: <http://www.worldwatch.org/sow11>. Acesso em: 24 ago. 2012.

HENRIQUES, I.; SADORSKY, P. The determinants of an environmentally responsive firm: an empirical approach. Journal of environmental economics and management, v. 30, n. 3, p. 381-395, maio 1996. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0095069696900261>. Acesso em: 5 set. 2012.

______. The relationship between environmental commitment and managerial perceptions of stakeholder importance. Academy of Management Journal, v. 42, n. 1, p. 87-99, fev. 1999. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/256876?seq=1#page_scan_tab_contents>. Acesso em: 5 set. 2012.

LÉLÉ, S. Sustainable development: a critical review. World Development, v. 19, n. 6, p. 607-621, 1991.

LOVINS, Armoy B.; LOVINS, L. H.; HAWKEN, Paul. A road map for natural capitalism. Harvard Business Review, p. 145-158, maio/jun. 1999.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Tradução de Nivaldo Montingelli Jr. e Alfredo Alves de Farias. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MUNASINGHE, M. Sustainable development triangle, jan. 2007. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/295539679_Sustainable_Development_Triangle>. Acesso em: 20 nov. 2012.

NIDUMOLU, R.; PRAHALAD, C. K.; RANGASWAMI, M. R. Why sustainability is now the key driver of innovation. Harvard Business Review, v. 87, n. 9, p. 56-64, set. 2009.

ORSATO, Renato J. When does it pay to be green? California Management Review, Oakland, v. 48, n. 2, nov./dez. 2006.

SACHS, Ignacy. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel, 1993.

VEIGA, José. Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. São Paulo: Editora Senac, 2010.

Publicado
2016-09-26