Desenvolvimento local, turismo e populações tradicionais: elementos conceituais e apontamentos para reflexão

  • Wilson Alves de Araújo Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT), Campus Eunápolis.
  • Joelma Abrantes Guedes Temoteo Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Departamento de Turismo e Hotelaria.
  • Maristela Oliveira de Andrade Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Departamento de Ciências Sociais– UFPB.
  • Salvador Dal Pozzo Trevizan Universidade Estadual de Santa Cruz, UESC, BA. Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais.
Palavras-chave: turismo cultural, etnoturismo, comunidades indígenas, cultura, sustentabilidade ambiental.

Resumo

O Objetivo deste artigo foi ampliar a discussão sobre a relação entre os conceitos de desenvolvimento local, turismo e populações tradicionais. Trata-se de uma pesquisa de revisão narrativa e bibliográfica, tendo como base a atividade turística e sua relação com as comunidades indígenas do Brasil, especificamente dos Pataxó no sul da Bahia e os Potiguara, na Paraíba. Considera-se que o turismo, se bem planejado, pode gerar impactos positivos, como a afirmação da identidade cultural das comunidades indígenas.

Biografia do Autor

Wilson Alves de Araújo, Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT), Campus Eunápolis.
Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UESC). Mestre em Economia Empresarial pela Universidade Cândido Mendes (UCAM/RJ). Professor Assistente da Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT), Campus Eunápolis. Membro do Grupo de Pesquisa “Memória, Espaço e Linguagem” (UNEB), com atuação na Linha de pesquisa: Políticas Públicas, Cultura e Turismo.
Joelma Abrantes Guedes Temoteo, Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Departamento de Turismo e Hotelaria.
Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UFPB). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UFPB). Professora Assistente da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Departamento de Turismo e Hotelaria.
Maristela Oliveira de Andrade, Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Departamento de Ciências Sociais– UFPB.
Doutora em TroisiemeCycle - IHEAL - Universite de Paris III (Sorbonne-Nouvelle). Professora do Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UFPB). Professora Titular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Departamento de Ciências Sociais– UFPB.
Salvador Dal Pozzo Trevizan, Universidade Estadual de Santa Cruz, UESC, BA. Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais.
Ph.D. em Sociologia, University of Wisconsin-Madison, USA. Professor do Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UESC) Professor Pleno do Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais, da Universidade Estadual de Santa Cruz, UESC, BA.

Referências

ARAÚJO, W. A. de. Desenvolvimento econômico e arranjo produtivo local: uma relação necessária. São Mateus, ES: Opção, 2010.

ARCHER, B.; COOPER, C. Os impactos positivos e negativos do turismo. In: THEOBALD, W. F. (Org.). Turismo global. 2. ed. São Paulo: SENAC, 2002.

ARNAUDO, M. F.; CORBELLA, V. Análisis de la potencialidad de Monte Hermoso para lograr el desarrollo local a partir de bienes culturales. Revista de Investigación en Turismo y Desarrollo Local, Málaga, Espanha, v. 6, n. 15, p. 1-11, dez. 2013.

BACAL, S. S.; MIRANDA, S. M. de A. Impacto do turismo nos núcleos receptores: necessidade de normalização. São Paulo: Hucitec, 1997.

BARBOSA, I. K. P.; SILVA, C. B. C. da. Ecoturismo e etnoturismo na aldeia de Tramataia - área de proteção ambiental da barra de Mamanguape-PB: uma nova alternativa econômica sustentável ou mais um fator gerador de conflitos sócio-ambientais? Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 98, mar. 2012. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site.php?n-link=revista_artigos-leitura&artigo-id=11279>. Acesso em: fev. 2015.

BIGNÉ, E.; FONT, X.; ANDREU, L. Marketing de destinos turísticos: análisisy estrategias de desarrollo. Madri: ESIC, 2000.

BRASIL. Ministério do Turismo (Mtur). Turismo e sustentabilidade, formação de redes e ação municipal para regionalização do turismo. Brasília: MTUR; Florianópolis: SEAD/UFSC, 2010.

BRASIL. Ministério do Turismo (Mtur). Coordenação Geral de Regionalização. Turismo e sustentabilidade. Roteiros do Brasil – programa de regionalização do turismo. Brasília: MTUR, 2007a. 126p.

BRASIL. Decreto Lei n. 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF: Poder Executivo, 8 jul. 2007b.

BRASIL. Ministério do Turismo (Mtur). Segmentação do turismo: marcos conceituais. Programa de Regionalização do turismo. Brasília: Ministério do Turismo, 2004.

CASTILHO, M. A. de; ARENHARDT, M. M.; LE BOURLEGAT, C. A. Cultura e identidade: os desafios para o desenvolvimento local no assentamento Aroeira, Chapadão do Sul, MS. Interações: Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v. 10, n. 2, p. 159-69, jul./dez. 2009.

CORIOLANO, L. N. M. T. O desenvolvimento voltado às condições humanas e o turismo comunitário. In: CORIOLANO, L. N. M. T.; CRUZ, L. L. (Org.). Turismo comunitário e responsabilidade socioambiental. Fortaleza, CE: EDUECE, 2003.

DIAS, R. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2008.

ESPÍNOLA, R.; ANDRADE, M. Turismo em comunidades tradicionais: dilemas e perspectivas no município de Conde-PB. In: GONÇALVES, A.; RODRIGUES, L. (Org.). Políticas de turismo, ambiente e desenvolvimento. João Pessoa, PB: Ed. UFPB, 2015. (Vol. 3, Série Pesquisa Prodema).

FARIA, I. F. Ecoturismo: etnodesenvolvimento e inclusão social no Amazonas. Manaus: Ed. UFAM, 2002.

FARIA, M. C. P. Análisis de la capacidade del turismo em el desarrollo econômico regional: el caso de Inhotim y Brumadinho. 2012. 234p. Tese (Doutorado em Economia) – Universidad de Alicante, Espanha, 2012.

FREITAS, T. P.; MATTOS, Y. Impactos culturais do turismo: contradições e paradoxos – estudo de caso com os Índios Pataxó de Porto Seguro e Santa Cruz de Cabrália BA. Revista Eletrônica de Turismo Cultural, v. 3, n. 1, p. 117-23, 2009. Disponível em: <http://www.eca.usp.br/turismocultural/05_%C3%8Dndios_Patax%C3%B3s_Tatiana.pdf>. Acesso em: dez. 2013.

GRÜNEWALD, R. A. Etnodesenvolvimento indígena no Nordeste (e Leste): aspectos gerais e específicos. Revista Anthropológicas, ano 7, v. 14, n. 1-2, p. 47-71, 2003.

HAESBAERT, R. Território e multerritorialidade: um debate. Revista GEOgraphia, ano IX, n. 17, p. 19-46, 2007.

INSTITUTO DE HOSPITALIDADE (IH). NIH-54. Certificação em turismo sustentável: norma nacional para meios de hospedagem – requisitos para a sustentabilidade. São Paulo: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, 2005.

KASHIMOTO, E. M.; MARINHO, M.; RUSSEFF, I. Cultura, identidade e desenvolvimento local: conceitos e perspectivas para regiões em desenvolvimento. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 3, n. 4, p. 35-42, mar. 2002.

LAGE, B. H. G.; MILONE, P. C. Economia do turismo. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

LOZADA, L. Serviços ecossistêmicos e interações com uma comunidade afrodescendente no Pacífico colombiano: dos riscos à proteção da biodiversidade. 2017. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, 2017.

MACIVER, R. M.; PAGE, C. H. Comunidade e sociedade como níveis de organização da vida social. In: FERNANDES, F. Comunidade e sociedade: leituras sobre problemas conceituais, metodológicos e de aplicação. São Paulo: Nacional/EDUSP, 1978.

MARTINELLI, D. P.; JOYAL, A. Desenvolvimento local e o papel das pequenas e médias empresas. Barueri, SP: Manole, 2004.

MARTÍNEZ, H. J.; VILLA, M. A.; VÁZQUEZ, A. E. G. Bienestar socioeconómico y percepción de la calidad de vida en destinos turísticos: el caso de la Colina el Caribe, Cabo San Lucas, Baja California Sur (México). Revista de Investigación en Turismo y Desarrollo Local, Málaga, Espanha, v. 6, n. 15, p. 1-16, dez. 2013.

MARTINS, S. R. O. Desenvolvimento local: questões conceituais e metodológicas. Interações: Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 3, n. 5, p. 51-9, set. 2002.

NEVES, S. C. Eficácia ritual e eficácia turística: o ritual do Awê entre os Pataxó Meridionais e o turismo. Cultur: Revista de Cultura e Turismo, ano 4. n. 2, 92-103, jun. 2010. Disponível em: <www.uesc.br/revistas/cultureturismo>. Acesso em: dez. 2013.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA (UNESCO). Convención sobre la protección y promoción de la diversidad de las expresiones culturales. 2005. Disponível em: <http://portal.unesco.org/es/ev.phpURL>. Acesso em: 30 ago. 2013.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Convenção n. 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT. Brasília: OIT, 2011. 1 v.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO (OMT). Crónicas del turismo: el desarrollo comunitario sobre el terreno. 2014. Disponível em: <http://wtd.unwto.org/es/content/tourism-stories-community-development-ground>. Acesso em: 1º jun. 2015.

PRADO, R. M. Viagem pelo conceito de populações tradicionais, com aspas. In: STEIL, C. A.; CARVALHO, I. C. M. (Org.). Cultura, percepções e ambiente: diálogo com Tim Ingold. São Paulo: Terceiro Nome, 2012.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

SARAIVA, L. A. S. Métodos narrativos de pesquisa: uma aproximação. Gestão.Org, v. 5, n. 2, p. 118-34, maio/ago. 2007. Disponível em: < https://periodicos.ufpe.br/revistas/gestaoorg/article/view/21604/18298>. Acesso em: 20 maio 2017.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SOUZA, N. de J. de. Desenvolvimento econômico. 5. ed. rev. São Paulo: Atlas, 2005.

SWARBROOKE, J. Turismo sustentável: conceitos e impacto ambiental. São Paulo: ALEPH, 2000.

TOLEDO, V. M. Principios etnoecológicos para el desarrollo sustentable de comunidades campesinas e indígenas. Reproduzido com modificações do artigo publicado em CLAVES, Temas Clave, n. 4, ago. 1996.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. La memoria biocultural: la importância ecológica de las sabidurías tradicionales. Barcelona, Espanha: Icaria, 2008.

TÖNNIES, F. Comunidade e sociedade como entidades típico-ideais. In: FERNANDES, F. Comunidade e sociedade: leituras sobre problemas conceituais, metodológicos e de aplicação. São Paulo: Nacional/EDUSP, 1978.

TREVIZAN, S. D. P.; SIMÕES, M. de L. N. Global e local: conflito ou complementaridade. In: TREVIZAN, S. D. P.; SIMÕES, M. de L. N. (Org.). Comunidades sustentáveis: a partir do turismo com base local. Ilhéus, BA: Editus, 2006.

VERGARA, S C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

WEBER, M. Economia e sociedade. São Paulo: Imprensa Oficial de São Paulo, 2004.

______. Comunidade e sociedade como estruturas de socialização. In: FERNANDES, F. Comunidade e sociedade: leituras sobre problemas conceituais, metodológicos e de aplicação. São Paulo: Nacional/EDUSP, 1978.

Publicado
2017-09-21