Competitividade do Sistema Produtivo do Turismo em Bonito, MS, a partir de uma Visão Baseada em Recursos

  • Dyego de Oliveira Arruda Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto, SP
  • Gustavo Magalhães de Oliveira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS
  • Milton Augusto Pasquotto Mariani Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS
Palavras-chave: Visão baseada em recursos. Sistema turístico. Desenvolvimento Local.

Resumo

Com o escopo de defender e consolidar suas posições estratégicas, sobretudo ao se considerar a ampliação da concorrência nos mercados turísticos, observa-se que os sistemas produtivos do turismo lançam mão de novas e variadas formas organizacionais, classificadas como recursos no presente trabalho. Partindo dessa premissa, este estudo tem como objetivo geral classificar os recursos disponíveis dentro do sistema turístico da cidade de Bonito, em Mato Grosso do Sul, Brasil, bem como verificar qual o nível de competitividade gerado por eles. Aplicou-se como base teórica o modelo Valor, Raridade, Imitabilidade e Organização (VRIO), da Visão Baseada em Recursos (VBR). Foram pesquisadas quatro agências de viagens de Bonito, além de representantes dos ambientes institucional e organizacional local/regional. Observou-se que os recursos que trazem maior desenvolvimento e vantagem sustentada à Bonito são: a configuração do Voucher Único, os atrativos locais, além do próprio território.

Referências

ARRUDA, D. O. Coordenação e Estruturas de governança entre agências de turismo e atrativos turísticos em Bonito/MS. 2013. 125f. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS, 2013.

BARBOSA, M. A. C.; ZAMBONI, R. A. Formação de um cluster em torno do turismo de natureza sustentável em Bonito-MS. Brasília, DF: IPEA/CEPAL, 2000. 47p.

BARNEY, J. B. Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, v. 17, n. 01, p. 99-120, mar. 1991.

______. Strategic factor markets: expectations, luck, and business strategy. Management Science, Hanover, EUA, v. 32, n. 10, p. 1231-1241, out. 1986.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W.S. Administração estratégica e vantagem competitiva: conceitos e casos. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011. 432 p.

______. Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. 352 p.

BARNEY, J. B.; KETCHEN JR, D.; WRIGHT, M. The future of resource-based theory: revitalization or decline? Journal of Management, v. 37, n. 05, p. 1299-1315, set. 2011.

BARZEL, Y. Measurement cost and the organization of markets. The Journal of Law and Economics, Chicago, v. 25, p. 27-48, abr. 1982.

BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 10. ed. São Paulo: Ed. SENAC, 2003.

COASE, R. H. The nature of the firm. Economica, London, v. 04, n. 16, p. 386-405, nov. 1937.

CORIOLANO, L. N. M. T. O turismo de inclusão e o desenvolvimento local. Fortaleza: FUNECE, 2003.

FARINA, E. M. M. Q. Competitividade e coordenação de sistemas agroindustriais: um ensaio conceitual. Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 06, n. 03, p. 147-161, dez. 1999.

FOSS, K.; FOSS N. J. Resources and transaction costs: how property rights economics furthers the resource-based view. Strategic Management Journal, v. 26, n. 06, p. 541-553, jun. 2005.

MARIANI, M. A. P.; SORIO, A.; ARRUDA, D. O. Carne ovina, turismo e desenvolvimento local: potencialidades para o Mato Grosso do Sul. Interações, Campo Grande, MS, v. 12, n. 01, p. 31-39, jan./jun. 2011.

MARIANI, M. A. P.; ARRUDA, D. O. Coordenação e Estruturas de Governança em um Sistema Produtivo do Turismo em Espaço Rural. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL – SOBER, 51., 2013, Belém, PA. Anais... Belém, 2013. p. 01-18.

MASSUKADO-NAKATANI, M. S.; TEIXEIRA, R. M. Resource-based view as a perspective for public tourism management research: evidence from two Brazilian tourism destinations. Brazilian Administration Review, Curitiba, v. 06, n. 01, p. 62-77, jan./jun. 2009.

NORTH, D. C. Institutions. Journal of Economic Perspectives, v. 05, n. 01, p. 97-112, jan./mar. 1991.

NORTH, D. Institutions, institutional change and economic performance. New York: Cambridge University Press, 2004.

OLIVER, C. Sustainable competitive advantage: combining institutional and resource-based views. Strategic Management Journal, v. 18, n. 09, p. 697-713, out. 1997.

PENROSE, E. T. The theory of the growth of the firm. New York: Wiley Press, 1959.

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, DA PRODUÇÃO, DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - SEPROTUR/MS. Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável (PDITS) – Serra da Bodoquena. Campo Grande: SEPROTUR - MS/MTUR, 2011. 497p.

VIEIRA, J. F. L. Voucher único um modelo de gestão da atividade turística em Bonito, MS. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, mar. 2003.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, p. 171-180, abr./jun. 1984.

WILLIAMSON, O. The new institutional economics: taking stock, looking ahead. Journal of Economic Literature, v. 38, p. 595-613, set. 2000.

WILLIAMSON, O. The Mechanisms of Governance. Oxford, UK: Oxford University Press, 1996. 429p.

WILLIAMSON, O. The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: The Free Press, 1985. 450p.

WILLIAMSON, O. Transaction-Cost Economics: the governance of contractual relations. Journal of Law and Economics, Chicago, v. 22, n. 02, p. 233-261, out. 1979.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Ed. Bookman, 2010.

Publicado
2015-11-25
Seção
Teoria e Prática