Percepção dos agricultores familiares brasileiros sobre suas condições de vida

  • Gabriel Medina Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO
  • Evandro Novaes Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO
Palavras-chave: Desenvolvimento local. Políticas públicas. Agricultura familiar.

Resumo

O trabalho traz a percepção dos agricultores familiares brasileiros sobre suas condições de vida a partir de entrevistas realizadas em 10.362 domicílios rurais em todas as regiões do país. Os agricultores percebem de forma positiva as condições de produção dentro da propriedade (incluindo área utilizada e mão de obra existente) e de forma negativa os resultados alcançados da porteira para fora (acesso a políticas públicas, inserção em mercados e relações sociais).

Referências

ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. Campinas: Editora Hucitec/Editora da Unicamp, 1998.

BANERJEE, A. V.; DUFLO, E. Poor economics: a radical rethinking of the way to fight global poverty. New York: Public Affairs, 2011.

CONTERATO, M.; RAMBO, A.; SCHNEIDER, S.; MÉGUI Del Ré, C. O índice de condições de vida (ICV) como instrumento para a gestão territorial do desenvolvimento rural. In: CONGRESSO DA SOBER, 50., Vitória. Anais... Vitória: SOBER, 2012.

COSTA, F. O investimento camponês: considerações teóricas. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 83-100, 1995.

FRANÇA, C. G.; DEL GROSSI, M. E.; MARQUES, V. A. O censo agropecuário 2006 e a agricultura familiar no Brasil. Brasília: MDA, 2009.

GUILHOTO, J. M.; AZZONI, C. R.; SILVEIRA, F. G. PIB da agricultura familiar: Brasil-estados. Brasília: MDA, 2007.

GUANZIROLI, C.; BUAINAIN, A.; SABBATO, A. Family farming in Brazil: evolution between the 1996 and 2006 agricultural censuses. The Journal of Peasant Studies, London, v. 40, n. 5, p. 817-843, nov. 2013.

INCRA/FAO. Novo retrato da agricultura familiar. O Brasil redescoberto. Brasília: Projeto de Cooperação Técnica INCRA/FAO, 2000. (FAO/BRA 036).

MARQUES, E. C. Redes sociais, segregação e pobreza. São Paulo: Editora da Unesp, 2010.

PLOEG, J. D.; RENTING, H.; BRUNORI, G.; KNICKEL, K.; MANNION, J.; MARSDEN, T.; ROEST, K.; SEVILLA-GUSMÁN, E.; VENTURA, F. From practices and policies towards theory. Sociologia Ruralis, Oxford, v. 40, n. 4, p. 391-408, out. 2000.

SANTOS, A. M.; MITJA, D. Agricultura familiar e desenvolvimento local: os desafios para a sustentabilidade econômico-ecológica na comunidade de Palmares II, Parauapebas, PA. Interações, Campo Grande, v. 13, n. 1, p. 39-48, jan./jun. 2012.

SCHNEIDER, S. A pluriatividade como estratégia de reprodução social da agricultura familiar no Sul do Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, n. 16, p. 164-184, abr. 2001.

WALTER. M. I. Estimação do ICV em 37 territórios rurais: relatório conjunto da pesquisa de campo das células de acompanhamento e informação. Brasília: IICA, MDA, SDT, 2011. 88p. Disponível em: <http://sge.mda.gov.br/sge/index.html>. Acesso em: 27 set. 2012.

WIGGINS, S. Agricultural growth and poverty reduction: a scoping study. Working Paper 2, IDRC Globalization, Growth and Poverty Working Paper Series. Ottawa: International Development Research Centre, 2006.

WIGGINS, S.; KIRSTEN, J; LLAMBI, L. The future of small farms. World Development, v. 38, n. 10, p. 1341-1348, jul. 2010.

Publicado
2015-11-25
Seção
Teoria e Prática