A rede da CEFNOB e o território: breves considerações sobre o desenvolvimento urbano no município de Campo Grande, MS

  • Gleicy Denise Vasques Moreira Santos Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) e Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Rede técnica. Território. Desenvolvimento urbano.

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão sobre o papel e o significado da Companhia Estrada de Ferro Noroeste do Brasil – CEFNOB em sua extensão do território paulista ao território sul-mato-grossense, enquanto processo de indução ao desenvolvimento da região centro-oeste. Destaca-se o papel das redes técnicas em sua interação com o território e suas implicações institucionais. A capital do Estado, Campo Grande, é analisada nesse contexto.

Referências

CORRÊA, Roberto L. Globalização e reestruturação da rede urbana uma nota sobre as pequenas cidades. In: ______. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. p. 255-273.

______. Reflexões sobre a dinâmica recente da rede urbana brasileira. In: ______. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. p. 311-330.

DIAS, L. C. Os sentidos da rede: notas para discussão. DIAS, Leila Christina; SILVEIRA, Rogério Leandro Lima da (Org.). Redes, sociedades e territórios. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2005. p. 11-28.

GHIRARDELLO, N. À beira da linha: formações urbanas da Noroeste Paulista [online]. São Paulo: Editora UNESP, 2002. 235 p. ISBN 85-7139-392-3. Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

LE BOURLEGAT, C. A. Da era das políticas públicas para as ações políticas compartilhadas. Campo Grande: Editora do Arquivo Histórico de Campo Grande/Fundação Municipal de Cultura, 2007. (Entrevista).

SILVEIRA, R. L. L. da. Redes e território: uma breve contribuição geográfica ao debate sobre a relação sociedade e tecnologia. Biblio 3W, Revista Bibliográfica de Geografia y Ciencias Sociales, Universidad de Barcelona, v. VIII, n. 451, 15 junio 2003. Disponible en: <http://www.ub.es/geocrit/b3w-451.htm>. [ISSN 1138-9796]

MANFREDI NETO, Pascoal. O imaginário do progresso na noroeste. Economia & Pesquisa, Araçatuba, v. 1, p. 17-26, mar. 1999. Disponível em: <http://www.feata.edu.br/revista_economia&pesquisa_1.htm>.

MONASTIRSKY, L. B. Ferrovia: patrimônio cultural – estudo sobre a ferrovia brasileira a partir da região dos Campos Gerais (PR). Florianópolis, tese de doutorado, UFSC, 2006.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2005.

______. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.

SOUSA, N. M. et alii. Campo Grande: ano 30 depois da divisão. Ampulheta: revista eletrônica do curso de História, UCDB, Campo Grande, MS, 14 ago. 2007. Disponível em: <http://www.ampulhetta.org/modules.php?name=Content&pa=showpage&pid=41>.

SOUZA, M. L. Cidades, globalização e determinismo econômico. Cidades: Revistas Científica/Grupo de Estudos Urbanos, Presidente Prudente, SP, v. 3, n. 5, p. 123-142, jan./jun. 2006.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE. PLANURB. Plano Urbanístico de ocupação da Esplanada Ferroviária, Campo Grande, 2011. Disponível em: <http://www.capital.ms.gov.br/planurb/downloads?pg=2>.

Publicado
2015-11-24