Os solos da reserva indígena de Caarapó-MS: subsídios para a sustentabilidade dos Kaiowá e Guarani

  • Reginaldo Brito da Costa
  • Raul Alffonso Rodrigues Roa
  • Wagner José Martins
  • Celso Rubens Smaniotto
  • Leandro Skowroski
  • Luiz Augusto Cândido Benatti
Palavras-chave: Diagnóstico pedológico, reserva indígena, produção agrícola sustentável.

Resumo

Os Kaiowá e Guarani foram os mais atingidos pelas ações dos bandeirantes paulistas. A criação das oitoreservas indígenas, a partir de ações da SPI e do governo do Estado entre 1915 e 1928, criava “espaços livres para aempresa privada”. A superpopulação no interior dessas áreas reduziu o espaço disponível e provocou o esgotamentode recursos naturais importantes para a sua qualidade de vida. Na perspectiva de uma produção agrícola sustentável,visando o desenvolvimento local, o solo ocupa uma posição peculiar ligada às várias esferas que afetam a vidahumana, além de ser o substrato principal para produção de alimentos. O estudo teve como objetivo caracterizar asprincipais classes de solos de ocorrência na área de estudo, para planejamento do uso e manejo adequado do solo,pelos Kaiowá e Guarani, bem como, correlacionar com o etnoconhecimento dos solos da área.

Referências

BAVER, L. D.; GARDNER, W. H.; GARDNER, W. R. Física de suelos. UTEHA, 1973.

BRAND, A. Biodiversidade, Sócio-Diversidade e Desenvolvimento: os Kaiowá e Guarani na Estado de Mato Grosso do Sul. In: COSTA, R. B. da (Org.). Fragmentação Florestal e altervativas de desenvolvimento rural na região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, 2003, p. 175-204.

_____. O impacto da perda da terra sobre a tradição kaiowá/ guarani: os difíceis caminhos da Palavra. Porto Alegre, 1997. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1997.

_____. O confinamento e o seu impacto sobre os Pai/Kaiowá. Porto Alegre, 1993. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1993.

COELHO, F. S.; VERLENGIA, F. Fertilidade do solo. 2. ed. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 1973.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasilia: Embrapa, 1999. 412 p.

GADELHA, R. M. As missões jesuítas do Itatim. Estrutura sócio-econômica do Paraguai colonial – séc. XVI e XVII. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

HENIN, S.; GRAS, R.; MONNIER, G. Os solos agricolas. São Paulo: USP, 1976. 334 p. LIMA, A. C. Um grande cerco de paz: poder tutelar e indianidade no Brasil. Rio de Janeiro, 1992. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – UFRJ/PPGAS. OLIVEIRA, J. B.; JACOMINE, K. T.; CAMARGO, M. N. Classes gerais de solos do Brasil: guia auxiliar para seu reconhecimento. Jaboticabal: FUNEP, 1992.

PRADO, H. do. Manual de classificação de solos do Brasil. 3. ed. Jaboticabal: FUNEP, 1996.

PROGRAMA KAIOWÁ/GUARANI: Diagnóstico Etnoambiental – T. I. Caarapó, MS. Campo Grande: UCDB, 2002. 119 p.

RAIJ, B. V. Avaliação da fertilidade do solo. Piracicaba: Instituto Internacional da Potassa, 1981.

RAVEN, P. H.; EVERT, R. F.; EICHHON, S. E. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara, 1992.

RESENDE, M.; CURI, N.; REZENDE, S. B. de; CORRÊA G. F. Pedologia: base para distinção de ambientes. 4. ed. Viçosa: NEPUT, 2002. 338 p.

RESENDE, M.; CURI, N.; SANTANA, D. Pedologia e fertilidade do solo. Piracicaba: ESAL/POTAFOS, 1988. 81 p.

RIBEIRO, D. Os índios e a civilização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

Publicado
2016-02-23
Seção
Artigos