O baru (Dipteryx alata Vog.) como alternativa de sustentabilidade em área de fragmento florestal do Cerrado, no Mato Grosso do Sul

  • Andréa Haruko Arakaki
  • Gessiel Newton Scheidt
  • Augustus Caeser Portella
  • Eduardo José de Arruda
  • Reginaldo Brito da Costa
Palavras-chave: Baru. Extrativismo vegetal. Fragmentação florestal.

Resumo

O presente trabalho refere-se à experiência do Assentamento Andalúcia no sentido de valorizar aimportância do manejo dos recursos naturais associado aos seus próprios anseios, com a utilização, especialmentedo baru em um contexto de sustentabilidade, mantendo a biodiversidade local. Nesse contexto, aborda-se a coletae utilização de frutos nativos em áreas de ocorrência natural constituindo alternativas econômicas para as populaçõeslocais.

Referências

AGRO-FAUNA. Baru. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2008.

ALMEIDA, S. P. et al. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998.

ARAÚJO, M. A. R. Conservação da biodiversidade em Minas Gerais: em busca de uma estratégia para o século XXI. Belo Horizonte: Unicentro, 2000.

ÁVILA, V. F. de. (coord.). Formação educacional em desenvolvimento local: relato de estudo em grupo e análise de conceitos. Campo Grande: UCDB, 2001.

CAVALCANTE, A. de M. B.; SOARES, J. J.; FIGUEIREDO, M. A. Comparative phytosociology of tree sinusiae between contiguous forests in different stages of succession. Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 60, n. 4, p. 551-562. jan./nov. 2000.

CAVALCANTI, R. B. Cerrado e Pantanal. In. Biodiversidade brasileira: avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2002.

CEMIG. Guia Ilustrado de Plantas do Cerrado de Minas Gerais. Minas Gerais: Nobel, 2001.

COSTA, R. B; ARRUDA, E. J. de; OLIVEIRA, L. C. S. Sistemas agrossilvipastoris como alternativa sustentável paraagricultura familiar. Interações, Campo Grande: UCDB, v. 3, n.5, p. 25-32, 2002.

COSTA, R. B. (Org.). Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na Região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, 2003, p.26-52. DOBSON, A. P. Habitat fragmentation and loss. In: Conservation and biodiversity. New York: Scientific Americam Library, 1995. p. 33-57.

EMPRESA de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural de Mato Grosso do Sul (EMPAER). Plano de desenvolvimento do Assentamento Andalúcia Nioaque – MS, 1998.

FRANKLIN, J. F. Preserving biodiversity: species, ecosystems, or landscapes? Ecological Applications, v.3, p. 202-205, 1993.

HOBBS, R.J. e HUMPHRIES, S.E. An integrated approach to the ecology and management of plant invasions. Conservation Biology, v. 9, p. 761-768, 1995.

IBAMA. Ecossistemas brasileiros. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2008.

JARA, Carlos Júlio. Capital social: construindo redes de confiança e solidariedade. Quito: NEAD, 1999.

LE BOURLEGAT, C. A. A fragmentação da vegetação natural e o paradigma do desenvolvimento rural. In: COSTA, R. B. (Org.). Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na Região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, p.1-25, 2003.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed. São Paulo: Plantarum, 1998. v. 1.

MARTINS, Sérgio R. O. Desenvolvimento local: questões conceituais e metodológicas. Interações – Revista Internacional de Desenvolvimento Local (5), set., 2002, p. 51-59.

MELO, J. T. Resposta de mudas de espécies arbóreas do Cerrado a nutrientes em latossolo vermelho escuro. 1999. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília-DF. MINISTÉRIO do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidades e Florestas. Biodiversidade Brasileira. Cerrado e Pantanal. In: Avaliação e identificação de áreas prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Brasília, DF, p.176-214, 2002.

MSTV. Famílias de Nioaque aumentam renda com apoio de projeto. Disponível em: <http://rmtonline.globo.com/ ms/materia.htm?id=101680 >. Acesso em: 9 jul. 2004.

OLIVEIRA, E.; DUARTE, L. M. G. Gestão da biodiversidade e produção agrícola: o Cerrado goiano. Cadernos de Ciências & Tecnologia, Brasília, v. 21, n. 1, p. 105-142, jan./abr. 2004.

PAULISTA, G.; VARVAKIS, G.; MONTIBELLER-FILHO, G. Espaço emocional e indicadores de sustentabilidade. Ambient. Soc., v. 11, n. 1, p. 185-200, jan./jun. 2008.

POTT, A.; POTT, V. J. Plantas do Pantanal. Corumbá, MS: EMBRAPA-SPI, 1994.

______. Espécies de fragmentos florestais em Mato Grosso do Sul. In: COSTA, R. B. (Org.). Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na Região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, 2003. p.1-25.

POR, F. D. Sooretama the Atlantic rain Forest of Brazil. The Hague: SPB Academic, 1992.

PRIMACK, R.B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação Londrina-PR: Midiograf, 2001. RATTER, J. A.et al. Estudo preliminar da distribuição das espécies lenhosas da fitofisionomia Cerrado sentido restrito nos Estados compreendidos pero Bioma Cerrado. Boletim do Herbário Esechias Paulo Heringer, Brasília, v. 5, p. 5-43, 2000.

RIBEIRO, J.F. et al. Baru. Jaboticabal: Funesp, 2000. (Série frutas nativas).

RICHARDS, M. Can Sustainable tropical florestry be made profitable? The potencial and limitations of innovative incentive mechanisms. Word Development, v. 28, n. 6, p. 1001-1016, 2000.

RIZZINI, C.T.; HERINGER, E.P. Studies on the underground organs of trees shrubs from some Southern Brazilian Savanas. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 2, n. 2, p. 235-247, 1962.

RODRIGUES, V.E.G.; CARVALHO, D.A. Plantas medicinais no domínio dos Cerrados. Lavras: UFLA, 2001.

ROEL, A.R.; ARRUDA, E.J. Agroecologia e os recursos naturais de fragmentos de vegetação nativa. In: COSTA, R. B. (Org.). Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na Região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, 2003. p. 205-239.

ROSADO, S.C.da S.; CARVALHO, D.de. Biodiversidade e conservação genética de espécies arbóreas. Lavras: UFLA,

SANO, S.M.; VIVALDI, L.J.; SPEHAR, C.R. Diversidade morfológica de frutos e sementes de baru (Dipteryx a/ ata Vog.). Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 34, n. 14, p. 13-518, 1999.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SILVA, D.B.; SILVA, J.A, JUNQUEIRA, N.T.U.; ANDRADE, L.R.M. Frutas do Cerrado. Brasília: EMBRAPA, 2001.

SILVEIRA, C.; BOCAYUVA, C.; ZAPATA, T. Ações integradas e desenvolvimento local: tendências, oportunidades e caminhos. São Paulo: Polis/EAESP/ FGV, 2001.

SNUC. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/sbf/dap/doc/ snuc.pdf >. Acesso em: 30 jul. 2008.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. A regeneração de uma floresta tropical Montana após corte e queima (São Paulo-Brasil). Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 59, n. 2, p.239-250, 1999.

YOGUEL, Gabriel. Creación de competências em ambientes locales y redes produtivas. Revista de la CEPAL, n. 71, p.105-119, 2000.

WILCOX, B.A.; MURPHY. D.D. Conservation strategy: the effects of fragmentation on extinction. American Naturalist, v. 125, p. 879-885, 1985.

Publicado
2016-02-17