Dimensões do desenvolvimento humano: o caso da região de Ribeirão Preto-SP

  • André Cavalcante da Silva Batalhão Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais / Universidade Federal de Goiás, Center for Environmental and Sustainability Research / Universidade Nova de Lisboa http://orcid.org/0000-0002-3560-9356
  • Glaucia Aparecida Prates Escola de Engenharia, Campus Itapeva, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.
  • Denílson Teixeira Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária (PPEAS-UFG), Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (CIAMB-UFG),Universidade Federal de Goiás (UFG).
  • Emiliano Lobo Godoi Escola de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade Federal de Goiás.
Palavras-chave: Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, desenvolvimento regional, desenvolvimento local, região de Ribeirão Preto.

Resumo

O objetivo principal da pesquisa foi analisar o nível de desenvolvimento humano dos 25 municípios da Região Administrativa de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, Brasil, usando o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, e apontar fragilidades e potencialidades desse índice. A metodologia possui característica exploratória, descritiva e crítica, baseada em dados secundários. O município de Serra Azul apresentou a maioria dos indicadores críticos que compõem o índice.

Biografia do Autor

André Cavalcante da Silva Batalhão, Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais / Universidade Federal de Goiás, Center for Environmental and Sustainability Research / Universidade Nova de Lisboa
Pesquisador nível PhD Student no Center for Environmental and Sustainability Research, na Faculdade de Ciências e Tecnologia, Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente, da Universidade Nova de Lisboa. Doutorando em Ciências Ambientais na Universidade Federal de Goiás (CIAMB/UFG), Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela UNIARA (2013), Pós-graduado em Finanças e Banking pela Universidade Paulista (2010), Pós-graduado em Gestão e Manejo Ambiental na Agroindústria pela Universidade Federal de Lavras (2010). Trabalha com os seguintes temas: Indicadores de Sustentabilidade; Ferramentas de Avaliação de Sustentabilidade; Desenvolvimento Sustentável; Práticas e Ações Sustentáveis;Planejamento e Gestão Ambiental e da Sustentabilidade; Políticas Públicas; Gestão de Recursos Hídricos.
Glaucia Aparecida Prates, Escola de Engenharia, Campus Itapeva, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.
Possui graduação em Business administration. Curso não reconhecido - Almeda University (2003), graduação em ENGENHARIA FLORESTAL pela Universidade Federal de Viçosa (1986), graduação em Matemática pela Universidade Metropolitana de Santos (2011), mestrado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1990) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (1998). Atualmente é membro titular do conselho municipal de educação. Secretaria Municipal de Educação de Itapeva, conselheira do fundeb - Secretaria Municipal de Educação de Itapeva, membro do conselho municipal de educação - Secretaria Municipal de Educação de Itapeva, supervisora do pnaic. do Ministério da Educação e RDIDP da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professora dos cursos de Engenharia industrial madeireira e de Engenharia de produção. Professora permanente do curso de pós-graduação- Mestrado profissional em Administração, na área de gestão de operações, no Campus de Jaboticabal- FCAV. Atuando principalmente nos seguintes temas: Gerenciamento da cadeia de fornecimento, pequenas empresas, empreendedorismo, gestão da qualidade, sistemas de gestão ambiental e tecnologia da informação. 
Denílson Teixeira, Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária (PPEAS-UFG), Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (CIAMB-UFG),Universidade Federal de Goiás (UFG).
Possui graduação (licenciatura e bacharelado) em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), (1989), especialização em Geoprocessamento na mesma instituição (2006), mestrado e doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo (EESC/USP), (1993) e (2000) respectivamente. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Goiás (UFG), professor pesquisador do Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária (PPEAS-UFG) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (CIAMB-UFG). Tem desenvolvido sua pesquisa na área de Gestão Integrada de Recursos Hídricos; Indicadores Ambientais, Indicadores de Sustentabilidade e Educação.
Emiliano Lobo Godoi, Escola de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade Federal de Goiás.
Possui graduação em ENGENHARIA AGRONÔMICA pela Universidade Federal de Viçosa (1988), mestrado e doutorado em Agronomia pela Universidade Federal de Goiás. Docente de nível superior da Universidade Federal de Goiás na Escola de Engenharia Civil. Experiência na área de GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL, atuando principalmente nos seguintes temas: implantação de sistemas de gestão ambiental, gerenciamento ambiental de obras, controle ambiental de fontes poluidoras

Referências

AGOSTINI, S. J.; RICHARSON, S. J. A Human Development Index for U.S. cities: methodological issues and preliminary findings. Economics, v.25, n.1, p. 13-41, 1997.

ALKIRE, S. Human development: definitions, critiques, and related concepts. Human Development Research Paper. OPHI Working Paper, Oxford,n. 36, 2010.

ANAND, S.; SEN, A. Human Development Index: methodology and measurement. New York: Human Development Report Office (HDRO), United Nations Development Programme (UNDP), 1994.

BATALHÃO, A. C. S.; TEIXEIRA, D. Indicadores de Sustentabilidade para a Educação: uma análise do tema Conhecimento e Cultura a partir do Barômetro da Sustentabilidade em Ribeirão Preto (SP). In: ESPIRITO-SANTO, P. S. M. F.; BANDOS, M. F. C. (Org.). Políticas públicas e desenvolvimento. Franca, SP:Editora Uni-Facef, 2013. p. 1-23.

BELLEN, H. M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BRASIL. Constituição Federal 1988.Brasília: Senado Federal, 2014. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/con1988_13.07.2010/art_212_.shtm>. Acesso em: 6 jul. 2014.

______. PNDR I – Política Nacional de Desenvolvimento Regional. Brasília: Ministério da Integração Nacional, 2011. Disponível em: <http://www.mi.gov.br/politica-nacional-de-desenvolvimento-regional-pndr>. Acesso em: 20 set. 2017.

BRAVO, G. The Human Sustainable Development Index: news calculations and a first critical analysis. Ecological Indicators, v.37, parte A, p.145-50, fev. 2014.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CASAGRANDE, A. E.; SOUZA, E. B. C. Do planejamento ao ordenamento territorial: estudo da região costa oeste do Paraná. Ra'e Ga, Curitiba, v.28, p. 67-85, 2013.

CHAKRAVARTY, S. R. A reconsideration of the tradeoffs in the new Human Development Index. The Journal of Economic Inequality, v.9, n.3, p.471-4, 2011.

DINIZ, C. C. Celso Furtado e o desenvolvimento regional. Revista Nova Economia, v.19, n.2, p.227-49, 2009.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2009.

______. Raízes do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

______.Introdução ao desenvolvimento: enfoque histórico-estrutural. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

______.Cultura e desenvolvimento em época de crise. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

______. Intra-country discontinuities: towards a theory of spatial structures. Social Science Information, v. 6, n. 6, p.7-14, 1967.

GOR, S. O.; GITAU, C. M. W. Rethinking the HDI: a more theoretically consistent alternative. International Journal of Sustainable Development, v.1, n.5, p.85-90, 2010.

INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO DE SÃO PAULO (IGC). Mapas individuais das Regiões Administrativas e Metropolitanas. 2007. Disponível em: <http://www.igc.sp.gov.br/produtos/mapas_ra.aspx?>. Acesso em: 20 set. 2017.

IVANOVA, I.; ARCELUS, F. J.; SRINIVASAN, G. An assessment of the measurement properties of the Human Development Index. Social Indicators Research, v.46, n.2, p.157-79, 1999.

JOPP, T. A. Ein glücksökonomisch modifizierter Human Development Index für Deutschland (1920-1960). Jahrbuch fur Wirtschaftsgeschichte, v.58, n.1, p.239-78, 2017.

KELLEY, A. C. The Human Development Index: “Handle with Care”. Population and Development Review, v.17, n.2, p.315-24, jun. 1991.

KOVACEVIC, M. Human Development Research Paper: review of HDI critiques and potential improvements. Nova Iorque: UNDP, 2011.

LEMOS, M. B.; RUIZ, R. M.; MORO, S.; E DOMINGUES, E. P. Espaços preferenciais e aglomerações industriais. In: DE NEGRI, J. A.; SALERMO, M. (Ed.). Inovação, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Rio de Janeiro: Ipea, 2005.

MAZOUCH, P.; VLTAVSKÁ, K.; STAŇEK, T. Towards the unnecessity of Human Development Index: the case of sensitivity analysis. Statistika, v.96, n.4, p.5-18, 2016.

MCGILLIVRAV, M.; WHITE, H. Measuring development? The UNDP´s human development index. Journal of International Development, v. 5, n. 2, p. 183-92, 1993.

MORSE, S.; VOGIATZAKIS, I. N. Resource use and deprivation: geographical analysis of the ecological footprint and town send index for England. Sustainability, v.6, n.8. p.4749-71, 2014.

NEUMAYER, E. Human development and sustainability. Human Development Research Paper. Londres: UNDP, 2010.

______. The human development index and sustainability – a constructive proposal. Ecological Economics, v.39, p. 101-14, 2001.

ORSI, R. A.; GODOY, M. B. R. B. Reflexões sobre o desenvolvimento e a sustentabilidade: o que o IDH e o IDHM podem nos mostrar? In: FERREIRA, D. A. O.; FERREIRA, E. R. (Org.).Geografia e território: interpretações do espaço brasileiro.Rio Claro, SP: IGCE/UNESP – Pós-Graduação em Geografia, 2010. p. 217-35.

PAGLIANI, P. Influence of regional, national and sub-national HDRs. Human Development Research Paper 2010/19. United Nations Development Programme, 2010. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/reports/global/hdr2010/papers/HDRP_2010_19.pdf>.Acesso em; 1ºout. 2015.

PLANO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). PNUD analisa o impacto do IDHM na gestão pública brasileira.Brasília: PNUD, 2014a. Disponível em: <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/presscenter/articles/2014/04/24/pnud-analisa-o-impacto-do-idhm-na-gest-o-p-blica-brasileira.html>. Acesso em: 8 jul. 2015.

______. Brasil sobe uma posição no ranking do IDH e fica em 79º entre 187 países. Brasília: PNUD, 2014b. Disponível em: <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/presscenter/articles/2014/07/24/brasil-sobe-uma-posi-o-no-ranking-do-idh-e-fica-em-79-entre-187-pa-ses.html>. Acesso em: 26 jul. 2015.

______. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 – Consulta. Brasília: PNUD, 2013a. Disponível em: <http://atlasbrasil.org.br/2013/consulta/>. Acesso em: 24 mar. 2015.

______. Desenvolvimento Humano e IDH. Brasília: PNUD, 2013b. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/IDH/DesenvolvimentoHumano.aspx?indiceAccordion=0&li=li_DH>. Acesso em: 23 dez. 2015.

______. RDH 2011 – Sustentabilidade e equidade: um futuro melhor para todos. Nova Iorque: PNUD, 2011.

______. RDH 2009/2010 – valores e desenvolvimento humano. Brasília: PNUD, 2010.

______.National Human Development Report Bulgaria 2000. The Municipal Mosaic. Human Development Report. UNDP, 2000. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/reports/national/europethecis/bulgaria/bulgaria_2000_en.pdf>. Acesso em: 3 mar. 2015.

RAHAYU, S.; RAVIYANTI, A. A.; MAHARDIKA, D. P. K. Local government revenue, general allocation fund, special allocation fund, capital expenditure to Human Development Index (HDI) in Papua, Indonesia. Advanced Science Letters, v.22, n.12, p.4077-81, 2016.

RAVALLION, M. The Human Development Index: a response to Klugman, Rodriguez and Choi. Journal of Economics Inequality, v.9, n.3, p.475-8, 2011.

SAGAR, A. D.; NAJAM, A. The Human Development Index: a critical review. Ecological Economics, v.25, n.3, p.249-64, 1998.

SANT’ANNA, A. P.; RIBEIRO, R. O. A.; DUTT-ROSS, S. Employing the components of the Human Development Index to drive resources to educational policies. Social Indicators Research, v.104, n.3, p.523-32, 2011.

SANTOS, M. P. Distribuição de renda e desenvolvimento humano: estado de São Paulo 1970-2000. São Paulo: Educ, 2007.

SÃO PAULO, Estado [de]. Secretaria de Planejamento e Gestão. Desenvolvimento regional. São Paulo.2016. Disponível em: <http://www.planejamento.sp.gov.br/index.php?id=50&idd=163>. Acesso em: 12 mar. 2016.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______. Capability and well-being. In: NUSSBAUM, M. C.; SEN, A. (Ed.).The quality of life. Oxford: Clarendon Press, 1993. p.30-54.

SERRA AZUL, Município [de]. Receitas e despesas do ensino – publicação 2010.Serra Azul, SP: Secretaria Municipal da Educação, 2014. Disponível em: <http://informacaomunicipal.com.br/serraazul/prefeitura/trimestre10/quarto/_contas/trimestre.pdf>. Acesso em: 8 jul. 2015.

SILVA, R.; FERREIRA-LOPEZ, A. A Regional Development Index for Portugal. Social Indicators Research, v.118, n.3, p.1055-85, 2014.

SLAVOMIR, B. Title sustainable development in the world from the aspect of environmental health and Human Development Index: regional variations and patterns. Problemy Ekorozwoju, v.11, n.1, p.117-24, 2016.

SRINIVASAN, T. N. Human development: a new paradigm or reinvention of the wheel? American Economic Review, v.84, n.2, p.238-43, 2012.

VALIAKHMETOV, R. M. Human development issues in the Republic of Bashkortostan. Sociological Studies, n.8, p.50-5, 2015.

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

______. A emergência socioambiental. São Paulo: Editora Senac, 2007.

Publicado
2018-02-26