O declínio organizacional e a ameaça de desemprego ao trabalhador

  • Eveli Freire Vasconcelos Universidade Católica Dom Bosco
  • José Carlos Zanelli UFSC
  • Erico Renteria Universidad del Valle, Cali - Colombia
  • Márcio Luís Costa UCDB
Palavras-chave: declínio organizacional, ameaça de desemprego, insegurança no trabalho, empregabilidade.

Resumo

Este artigo é uma revisão reflexiva da literatura especializada sobre declínio organizacional e ameaça ao desemprego, e tem como objetivo permitir uma visão geral sobre o tema, enfatizar a relevância do declínio nos estudos organizacionais, e distinguir a empregabilidade como forma alternativa de inserção social pelo trabalho. São propostas reflexões no sentido de contribuir na criação de estratégias tanto para a transformação da situação organizacional, quanto para a análise dos impactos aos trabalhadores.

Biografia do Autor

Eveli Freire Vasconcelos, Universidade Católica Dom Bosco
Possui graduação , mestrado e doutorado em Psicologia pela UCDB . Atua como docente e supervisora de estágio Básico e Específico no Curso de Graduação em Psicologia.Tem experiência em Psicologia,Organizações e Trabalho, atuando principalmente em temas da área: gestão de pessoas, comportamento organizacional.
José Carlos Zanelli, UFSC
Possui graduação em Psicologia pela Universidade de Brasília (1974), especialização em Psicologia Organizacional e do Trabalho pelo Instituto Sedes Sapientiae (1978), mestrado em Psicologia Social das Organizações pelo Instituto Metodista de Ensino Superior de São Bernardo do Campo (1984), doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1992), pós-doutorado pela Universidade de São Paulo (1998), com foco nas ações de uma gestão estratégica, pós-doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2007), com foco nas teorias e tratamento do estresse nas organizações de trabalho, e pós-doutorado pelo Instituto Português de Oncologia do Porto (2014), com foco na gestão preventiva de riscos psicossociais. Atualmente, é professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Administração e faz parte do núcleo stricto sensu em Psicologia da Faculdade Meridional - IMED. É Diretor do Instituto Zanelli - Saúde e Produtividade. É conferencista, em âmbito internacional, na área de interface da Psicologia com a Administração ou, mais especificamente, do comportamento humano nas organizações de trabalho. Como autor, possui artigos científicos, capítulos de livros e livros publicados. 
Erico Renteria, Universidad del Valle, Cali - Colombia
Possui graduação em Psicología - Universidad Del Valle (1988), mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997) e doutorado em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo (2008).Diretor do Grupo de Pesquisa em Psicologia Organizacional e do Trabalho, Professor Titular, Instituto de Psicologia, Universidad del Valle, Cali - Colômbia. Tem sido Subdiretor de Pesquisa e pós-graduação do Instituto de Psicologia da Universidad del Valle. Professor convidado na Universidade de São Paulo, Universidade de Brasília, Universidade Estadual de Londrina, Universidade Católica Dom Bosco, e em outras universidades de Porto Rico, Argentina e Chile. Co-diretor de teses doutoral no departamento de Psicologia Social da Universidade Autônoma de Barcelona. Avaliador do Ministério de Educação Nacional da Colômbia para acreditação de alta qualidade de programas acadêmicos de graduação e pós-graduação. Áreas de atuação em Psicologia do Trabalho e Psicologia Organizacional, processos humanos no trabalho, formas organizativas, processos organizacionais, métodos e abordagens qualitativos, e Psicologia Social.
Márcio Luís Costa, UCDB
O Professor Doutor Márcio Luís Costa cursou a graduação em Filosofia (1988) na FUCMT, hoje UCDB. Cursou também o Mestrado (1996) e o Doutorado (2000) em Filosofia na Facultad de Filosofía y Letras da Universidad Nacional Autónoma de México, México, DF. Durante a estadia doutoral no México, foi Professor de Filosofia e Decano de Estúdios no Instituto Franciscano de Filosofía y Teología e professor na Maestría en Educación da Universidad La Salle, com experiência na Orientação de Projeto de Pesquisa e Dissertação de Mestrado. Desenvolveu pesquisas conceituais sobre ontofenomenologia e ética, de modo especial em Emmanuel Lévinas. No Curso de Graduação em Filosofia da UCDB colabora como professor de ética, ontologia e história da filosofia e integra o NDE. No Programa de Mestrado e Doutorado em Psicologia da UCDB colabora transversalmente, desde a Filosofia, com a discussão e o aprofundamento dos temas relativos às condições epistemológicas e fenomenológicas para a construção do conhecimento científico na pesquisa no campo da Psicologia e Saúde. Coordena o Grupo de Pesquisa Modelos Histórico-epistemológicos e Produção de Saúde, com registro no CNPQ e Certificação da UCDB. Coordena o Grupo de Estudos A Fenomenologia na Pesquisa no campo da Psicologia e Saúde, vinculado ao Laboratório de Psicologia da Saúde, políticas da cognição e da subjetividade do Mestrado e Doutorado em Psicologia e ao programa de atividades complementares dos Cursos de Graduação em Filosofia e em Psicologia da UCDB. Desenvolve também pesquisas e orienta em Representações Sociais e Fenomenologia no Mestrado e Doutorado em Psicologia da UCDB. Atua como Coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Psicologia da UCDB. Integra, como membro permanente e foi reeleito como Presidente do Comitê de Ética em Pesquisa da UCDB, mandato 2016-2018. Colabora como Professor convidado na disciplina de Epistemologia no Doutorado em Educação da UCDB.

Referências

ADIZES, I. Os ciclos de vida das organizações. São Paulo: Pioneira, 1996.

AZEVEDO, J. T. et al. As estratégias de sobrevivência e de busca de emprego adotadas pelos desempregados. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 15-42, 1998.

BASTOS, A. V.; SOUZA, J. J.; COSTA, V. M.; PEIXOTO, A. L. A adoção de novas práticas de gestão: explorando o esquema cognitivo dos atores em empresas com diferentes padrões de inovação. Revista de Ciências da Administração, Florianópolis, v. 13, n. 31, p. 243-78, set./dez. 2011.

BLANCH-RIBAS, J. M. Trabajar en la modernidad industrial. In: TOMÁS, M. J.; DURÁN, C. G.; ARTILES, A. M.; BLANCH-RIBAS, J. M. (Ed.). Teoría de las relaciones laborales: fundamentos. Barcelona: Editorial UOC, 2003. p. 19-147.

BOTERO, J.; RENTERÍA, E. Empleabilidad y trabajo del profesorado universitario: una revisión del campo. No prelo.

CARMELI, A.; SCHAUBROECK, J. Top management team behavioral integration, decision quality, and organizational decline. The Leadership Quarterly, v. 17, n. 5, p. 441-53, out. 2006.

CARVALHO, K. L. Uma proposta para o diagnóstico do declínio organizacional. 2013. Tese (Doutorado em Engenharia) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2013. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3136/tde-07062014-121156/>. Acesso em: 23 dez. 2015.

CASTELL, R. Las metamorfosis de la cuestión social: una crónica del salariado. Buenos Aires: Paidós, 2009.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

D’AVENI, R. A. The aftermath of organizational decline: a longitudinal study of the strategic and managerial characteristics of declining firms. The Academy of Management Journal, v. 32, n. 3, p. 577-605, set. 1989.

DE CUYPER, N.; DE WITTE, H.; ELST, T.; HANDAJA, Y. Objective threat of unemployment and situational uncertainty during a restructuring: associations with perceived job insecurity and strain. Journal of Business and Psychology, v. 25, n. 1, p. 75-85, mar. 2010.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo em psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez/Oboré, 1992.

DEKKER, S.; SCHAUFELI, W. The effects of job insecurity on psychological health and withdrawal: a longitudinal study. Australian Psychologist, v. 30, n. 1, p. 57-63, 1995.

FLECK, D. L. Crescimento, dominância continuada e declínio da empresa: insights das histórias da General Electric e da Westinghouse. Revista de Administração Contemporânea, edição especial, p. 79-106, 2004.

FORRIER, A.; SELS, L.; STYNEN, D. Career mobility at the intersection between agency and structure: a conceptual model. Journal of Occupational and Organizational Psychology, v. 82, n. 4, p. 739-59, 2009.

FUGATE, M.; KINICKI, A. J.; ASHFORTH, B. E. Employability: a psycho-social construct, its dimensions, and applications. Journal of Vocational Behavior, v. 66, n. 1, p. 14-38, ago. 2004.

GLEJBERMAN, D. Conceptos y definiciones: desempleo y personas fuera de la fuerza de trabajo. Turín: Departamento de Estadística de la OIT. 2012. Disponível em: <http://recap.itcilo.org/es/documentos/files-imt2/es/dg6>. Acesso em: 20 jan. 2017.

GREENHALGH, L.; ROSENBLATT, Z. Job insecurity: toward conceptual clarity. The Academy of Management Review, v. 9, n. 3, p. 438-48, jul. 1984.

GREINER, L. R. Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, v. 50, n. 4, p. 1-11, 1972.

JACQUES, M. G. Abordagens teórico-metodológicas em saúde, doença mental e trabalho. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 97-116, jan./jun. 2003.

JAHODA, M. A recessão econômica e saúde mental: algumas questões conceituais. Jornal de Questão Social, n. 44, p. 13-23, 1988.

JICK, T. D.; GREENHALGH, L. Information processing of new recruits in a declining organization. Paper apresentado na Annual Meeting of the Academy of Management. San Diego, CA, 1981.

KINNUNEN, U.; NÄTTI, J. Job insecurity in Finland: antecedents and consequences. European Work and Organizational Psychologist, v. 4, n. 3, p. 297-321, 1994.

LESTER, L. D.; PARNELL, J. A.; CARRAHER, S. Organizational life cycle: a five-stage empirical scale. International Journal of Organizational Analysis, v. 11, n. 4, p. 339-54, 2003.

LEVY, A. Second-order planned change: definition and conceptualization. Organizational Dynamics, v. 15, n. 1, p. 5-20, 1986.

MADEIRA, P. Falência ou recuperação empresarial como resultado do declínio organizacional: uma estrutura conceptual explicativa. GESTIN, Castelo Branco, Portugal, ano 2, n. 2, p. 191-206, dez. 2003. Disponível em: <http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/235/1/PauloMadeira191-206Documento%20do%20Microsoft%20Office%20Word.pdf>. Acesso em: 23 dez. 2015.

MALVEZZI, S. A construção da identidade profissional no modelo emergente de carreira. Organizações & Sociedade, Salvador, BA, v. 7, n. 17, p. 137-43, jan./abr. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-92302000000100011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23 dez. 2015.

MONE, M. A.; MCKINLEY, W.; BARKER, V. L. Organizational decline and innovation: a contingency framework. The Academy of Management Review, v. 23, n. 1, p. 115-32, jan. 1998.

MORGAN, G. Images of organization. Newbury Park, CA: Sage Publications, 1986.

PINHEIRO, L. R.; MONTEIRO, J. K. Refletindo sobre desemprego e agravos à saúde mental. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 35-45, 2007.

RENTERÍA, E. Salud, bienestar y mundo del trabajo: entre lo normativo, los riesgos, y la coexistencia de realidades. In: COSTA, M.; ZANATTA, J. (Org.). Psicologia da Saúde: discussões temáticas. Campo Grande, MS: UCDB, 2016. p. 171-92.

RENTERÍA, E. Desarrollo de la empleabilidad como estrategia para las organizaciones: limitaciones, posibilidades e implicaciones para las personas. Revista Aristeo, n. 2, p. 69-90, 2012.

RENTERÍA, E. De Recursos Humanos a la Psicología Organizacional y del Trabajo: reflexiones a la luz de las realidades actuales del mundo del trabajo. In: AGUILAR, M. C.; RENTERÍA, e. Psicología del Trabajo y de las Organizaciones: reflexiones y experiencias de investigación. Bogotá: Editora Universidad Santo Tomás, 2009. p. 25-52.

RENTERÍA, E. Empregabilidade: versões e implicações. Uma leitura desde a Psicologia Social. 2008. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2008. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-12022009-143157/pt-br.php>. Acesso em: 10 nov. 2016.

RENTERÍA, E.; MALVEZZI, S. Empleabilidad, cambios y exigencias psicosociales en el trabajo. Universitas Psychologica, Bogotá, Colômbia, v. 7, n. 2, p. 319-34, maio/ago. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1657-92672008000200002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 dez. 2016.

RIOS, I.; TEIXEIRA, J. E. Projeto Rhodia de desenvolvimento da empregabilidade. In: CASALI, A.; RIOS, I.; TEIXEIRA, J. E.; CORTELA, M. S. (Org.). Empregabilidade e educação: novos caminhos no mundo do trabalho. São Paulo: EDUC, 1997.

ROIEK, R. S.; BULGACOV, S. D. Declínio organizacional e processo estratégico. Rio de Janeiro, Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração (Anpad), 1999. Disponível em: <http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad1999-ae-29.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2016.

ROSE, V.; HARRIS, E. From efficacy to effectiveness: case studies in unemployment research. Journal of Public Health, v. 26, n. 3, p. 297-302, 2004.

SALAMA, A. O uso da biografia de uma organização como método de pesquisa para a investigação do desenvolvimento organizacional. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. p. 34-42, jan./mar. 1994.

SALLES, L. F. Como as empresas brasileiras da indústria têxtil lidam com o declínio? Um estudo multicaso das ações estratégicas. 2015. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Nove de Julho (UNINOVE), São Paulo, 2015.

SERRA, F.; FERREIRA, M.; ALMEIDA, M. Organizational decline: a yet largely neglected topic in organizacional studies. Managemente Research, v. 11, n. 2, p. 133-56, 2013.

THIRY-CHERQUES, H. R. Administrando a sobrevivência: indicadores de declínio de revitalização organizacional em ambiente adverso. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 4, p. 177-86, out./dez. 1991.

TORRES, A. P. Estudo do declínio em uma empresa brasileira: o caso da gradiente eletrônica. 2010. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2010.

TORRES, A. P. et al. O declínio das grandes empresas brasileiras. Center of Research in International Business & Strategy, Working Paper n. 26. 2008. Disponível em: <http://globadvantage.ipleiria.pt/files/2008/10/working_paper-26_globadvantage.pdf>. Acesso em: jan. 2016.

VASCONCELOS, E. F. Declínio do Projeto Organizacional UFN III: explorando o significado da experiência entre os atores. 2016. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) - Campo Grande, MS, 2016.

VASCONCELOS, Y. L. Mapas explicativos da insolvência em nível falimentar: as perspectivas de gestores, consultores e acadêmicos. 2007. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2007.

VESGA, J. J. El contrato psicológico: una propuesta de lectura en el marco de las relaciones de trabajo. 2016. Tese (Doutorado em Psicologia) - Instituto de Psicología, Universidad del Valle, Cali, Colômbia, 2016.

WEITZEL, W.; JONSSON, E. Decline in organizations: a literature integration and extension. Administrative Science Quarterly, v. 34, n. 1, p. 91-109, mar. 1989.

WITTE, H.; HOOGE, J.; VANBELLE, E. Do the long-term unemployed adapt to unemployment. Romanian Journal of Applied Psychology, v. 12, n. 1, p. 8-14, 2010.

ZANELLI, J. C. Mudança organizacional. In: BENDASSOLLI, P. F.; BORGES-ANDRADE, J. E. (Org.). Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015. p. 463-72.

Publicado
2018-02-26