Convergência entre as Taxas de Mortalidade Infantil e os Índices de Desenvolvimento Humano no Brasil no período de 2000 a 2010

Palavras-chave: mortalidade infantil, desenvolvimento humano, estudo ecológico.

Resumo

Este estudo tem como objetivo verificar a convergência entre a diminuição da Taxa de Mortalidade Infantil e o aumento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal nas Grandes Regiões e Unidades da Federação no Brasil no período de 2000 a 2010. O tipo de estudo adotado foi o ecológico. Conclui-se que houve redução das Taxas de Mortalidade Infantil e aumento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, de forma não homogênea nas áreas de estudo.

Biografia do Autor

Paulo Cezar Rodrigues Martins, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Faculdades Unidas Católicas de Mato Grosso - atual UCDB - (1987). É tecnologista em informações geográficas e estatísticas da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tem experiência na área de Demografia, e Indicadores Socioeconômicos. Mestre em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro Oeste. Atualmente é doutorando na UFMS no programa Saúde e Desenvolvimento na Região Centro Oeste.
Elenir Rose Jardim Cury Pontes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1987), mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1997) e doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, na graduação (Odontologia e Nutrição) e pós-graduação (Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste e Programa de Pós-graduação em Doenças Infecciosas e Parasitárias). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Bioestatística e Epidemiologia.
Leandro Tsuneki Higa, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2006). Mestre em Tecnologias Ambientais pela Universidade Federal de Mato  Grosso do Sul.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

FISCHER, T. K. et al. A mortalidade infantil no Brasil: série histórica entre 1994-2004 e associação com indicadores socioeconômicos em municípios de médio e grande porte. Medicina, Ribeirão Preto, SP, v. 40, n. 4, p. 559-66, out./dez. 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015. Estudos & pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, Rio de Janeiro, n. 35, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2015. Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. 2016. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Tabuas_Completas_de_Mortalidade/Tabuas_Completas_de_Mortalidade_2015/tabua_de_mortalidade_analise.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Relatório Nacional de Acompanhamento. Grupo Técnico para o acompanhamento dos ODM. Brasília: Ipea: MP, SPI, 2014.

JANNUZZI, P. de M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público Brasília, Brasília, v. 56, n. 2, p. 137-60, abr./jun. 2005.

KAEMPFFER, A. R.; MEDINA, E. L. Mortalidad infantil reciente em Chile: éxitos Y desafios. Revista Chilena de Pediatría, Santiago, Chile, v. 77, n. 5, p. 492-500, out. 2006

LINS, J. G. M. G. et al. Análise espacial da evolução do índice de desenvolvimento humano nos municípios da região nordeste. Revista Economia e Desenvolvimento, Recife, PE, v. 14, n. 1, p. 81-96, jan./jun. 2015.

MEDRONHO, R. de A. et al. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, 2009.

POPULATION REFERENCE BUREAU (PRB). Cuadro de Datos de La Población Mundial 2014. Disponível em: <http://www.prb.org/pdf14/2014-world-population-data-sheet_spanish.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Desenvolvimento humano nas macrorregiões brasileiras: 2016. Brasília: PNUD; IPEA; FJP, 2016. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6217/1/Desenvolvimento%20humano%20nas%20macrorregi%C3%B5es%20brasileiras.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

______. Relatório do Desenvolvimento Humano 2015. O trabalho como motor do desenvolvimento humano. 2015. Disponível em: <http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr_2015_report_pt.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

______. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro 2013. Brasília: PNUD, Ipea, FJP, 2013. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/130729_AtlasPNUD_2013.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÕES PARA A SAÚDE (RIPSA). Indicadores de mortalidade. Taxa de mortalidade infantil. 2012. Disponível em: <tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/c01b.htm>. Acesso em: 21 jan. 2017.

______. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008.

SCHELL, C. O. et al. Socioeconomic determinants of infant mortality: a wordwide study of 152 low, middle, and highincome countries. Scandinavian Journal of Public Health, v. 35, n. 3, p. 288-97, 2007.

SOUSA, Angelica; HILL, Kenneth; DAL POZ, Mario R. Sub-national assessment of inequality trends in neonatal and child mortality in Brazil. International Journal for Equity in Health, n. 9, 2010. Disponível em: <https://equityhealthj.biomedcentral.com/articles/10.1186/1475-9276-9-21>. Acesso em: 21 jan. 2017.

SOUSA, T. R. V.; LEITE FILHO, P. A. M. Análise por dados em painel do status de saúde no Nordeste brasileiro. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 5, p. 796-804, out. 2008.

THE WORLD BANK GROUP. Mortality rate, infant (per 1,000 live births). 2016. Disponível em: <http://data.worldbank.org/indicator/SP.DYN.IMRT.IN?view=chart>. Acesso em: 21 jan. 2017.

VICTORA, C.G. et al. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet, v. 377, n. 9780, p. 1863- 76, 2011.

Publicado
2018-02-26