Representação Social de saúde-doença nos textos jornalísticos veiculados na revista Veja

  • Jacir Alfonso Zanatta Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
  • Bianka Macário Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
  • Silvia Santana Zanatta Universidade Católica Dom Bosco - UCDB - Bolsista CAPES
Palavras-chave: saúde-doença, jornalismo, representação social.

Resumo

A relação saúde e doença não é neutra. Essa relação está permeada pelos interesses de diferentes frações de classes envolvidas, demonstrando que, em sua essência, ela sempre foi um fenômeno político. A revista selecionada para entender como a saúde-doença vem sendo tratada pela mídia impressa foi a revista Veja, veículo impresso semanal de maior circulação no Brasil. 

Biografia do Autor

Jacir Alfonso Zanatta, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
Doutor em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Mestre em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) 2012 e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) 2002. Possui graduação em Psicologia - Formação de psicólogo pela Universidade Católica Dom Bosco (2009), graduação em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1996), graduação em Filosofia - Faculdades Unidas Católicas de Mato Grosso (1991). É vice-presidente do Comitê de Ética na Pesquisa (CEP/UCDB) e leciona nos cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Serviço Social e Filosofia. Psicólogo Clínico.
Bianka Macário, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
Acadêmica do Curso de Jornalismo da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB ) - Bolsista Pibic.
Silvia Santana Zanatta, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB - Bolsista CAPES
Doutoranda do programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) bolsista Capes, Mestre em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) na linha de pesquisa Desenvolvimento Local em contexto de territorialidades" (2011), possui especialização em Comunicação: Linguagem, Construção Textual e Literatura pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação e Libera Limes Instituto de Qualificação Profissional (2007) e graduação em Jornalismo pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal - UNIDERP (2006). Atualmente trabalha com pesquisas na região da Bacia do rio da Prata ligadas a monitoramento de agências financiadoras do desenvolvimento,conservação ambiental, gestão territorial e comunidades tradicionais.

Referências

ALAYA, D. B. Abordagens filosóficas e a teoria das representações sociais. In: ALMEIDA, A. M.; SANTOS, M. F. S.; TRINDADE, Z. A. (Org.). Teoria das Representações Sociais: 50 anos. Brasília: Technopolitik, 2011. p. 261-81.

ALMEIDA, A. M. O; CUNHA, G. G. Representações sociais do desenvolvimento humano. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 16, n. 1, p. 147-55, 2003.

BACKES, M. T. S; DA ROSA, L. M; FERNANDES, G. C. M; BECKER, S. G; MEIRELLES, B. H. S; SANTOS, S. M. Conceitos de saúde e doença ao longo da história sob o olhar epidemiológico e antropológico. Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 111-7, jan./mar. 2009.

CANGUILHEM, G. Escritos sobre a medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

CHAVES, A. M.; SILVA, P. L. Representações Sociais. In. TORRES, A. R. R. et al. Psicologia Social: temas e teorias. Brasília: Technopolitik, 2011.

COELHO, M. T. A. D.; ALMEIDA FILHO, N. de. Conceitos de saúde em discursos contemporâneos de referência científica. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 315-33, maio/ago. 2002.

CONTINI, M. de L. J. O psicólogo e a promoção de saúde na educação. São Paulo: Caso do Psicólogo, 2010.

DEJOURS, C. Por um novo conceito de saúde. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 14, n. 54, p. 7-11, abr./jun. 1986.

DUVEEN, G. O Poder das ideias. In: MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigação em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2003.

FAZENDA, I. (Org.). Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez, 1999.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GUARESCHI, P. Sem dinheiro não há salvação: ancorando o bem e o mal entre neopentecostais. In: GUARESCHI, S.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em Representações Sociais. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 153-81).

GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em representações sociais. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

HERZLICH, C. A problemática da representação social e sua utilidade no campo da doença. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 22-36, 1991. Disponível em: <http://www.scielosp.org/pdf/physis/v1n2/02.pdf>. Acesso em: 9 maio de 2011.

IANNI, O. Variações sobre arte e ciência. Revista Tempo Social, São Paulo, v. 16, n. 1, 2004.

IYDA, M. Cem anos de saúde pública: a cidadania negada. São Paulo: Unesp, 1994.

JODELET, D. O movimento de retorno ao sujeito e a abordagem das representações sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 03, p. 679-712, set./dez. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/se/v24n3/04.pdf>. Acesso em: 9 maio 2011.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In. GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em representações sociais. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

______. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis: Vozes, 2008.

LAGE, N. Estrutura da notícia. 2. ed. São Paulo: Ática, 1987.

MAFFESOLI, M. O ritmo da vida: variações sobre o imaginário pós-moderno. Rio de Janeiro: Record, 2007.

MEDINA, C. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus, 2003.

______. Entrevista: o diálogo possível. São Paulo: Ática, 1986.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 1999.

______. Saúde-doença: uma concepção popular da Etiologia. Cadernos de saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 4, n. 4, p. 363-81, out./dez. 1988.

MOSCOVICI, S. Prefácio. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em Representações Sociais. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p.7-15.

RÊSES, E. S. Do conhecimento sociológico à teoria das representações sociais. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 6, n. 2, p. 189-99, jul./dez. 2003. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/view/920/1123>. Acesso em: 9 maio 2011.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SARRIERA, J. C; MOREIRA, M.C; ROCHA, K. B; BONATO, T. N; DUSO, R.; PRIKLADNICKI, S. Paradigmas em Psicologia: compreensões da saúde e dos estudos epidemiológicos. Psicologia & Sociedade, v. 15, n. 2, p. 88-100, jul./dez. 2003.

SCLIAR, M. História do conceito de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 29-41, 2007.

SÊGA, R. A. O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Anos 90, Porto Alegre, v. 8, n. 13, jul. 2000.

SEGRE, M.; FERRAZ, F. C. O conceito de saúde. Revista de Saúde Pública, São Paulo v. 31, n. 5, p. 538-42, 1997.

TRAVERSO-YÉPEZ, Martha. A interface psicologia social e saúde: perspectivas e desafios. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 2, p. 49-56, jul./dez. 2001.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes, 2003.

Publicado
2017-09-21