Limites e oportunidades para a construção de um Arranjo Produtivo Local (APL): a experiência do projeto Balde Cheio em Mato Grosso do Sul

  • Lilian Cervo Cabrera Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Glauco Schultz Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Edson Talamini Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: cadeia produtiva do leite, agricultura familiar, transferência de tecnologia.

Resumo

Neste trabalho, é analisado se o Projeto Balde Cheio, em Mato Grosso do Sul, pode direcionar para a caracterização de um Arranjo Produtivo Local (APL), apontando limitações e potencialidades para sua construção. Quanto aos aspectos metodológicos, utilizaram-se dados secundários mediante pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo com visita em propriedades rurais. A disponibilidade de capacitação técnica, o apoio financeiro do Estado, o aumento da produção/produtividade de leite nas propriedades, entre outros, são elementos que podem direcionar para um APL.

Biografia do Autor

Lilian Cervo Cabrera, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutora em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestra em Extensão Rural, jornalista e engenheira agrônoma pela Universidade Federal de Santa Maria.
Glauco Schultz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Econômicas e do Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutor e mestre em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, engenheiro agrícola pela Universidade Federal de Pelotas.
Edson Talamini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Professor Associado da Faculdade de Ciências Econômicas e do Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutor e mestre em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, economista pela Universidade de Passo Fundo.

Referências

AMATO NETO, J. Gestão de sistemas locais de produção e inovação: Clusters/APLs. São Paulo: Atlas, 2009.

BACARJI, A. G.; HALL, R. J.; ZANON, H. Os impactos da sazonalidade da produção de leite numa indústria de laticínio no Estado de Mato Grosso do Sul. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA (SEGeT), 4., 22 a 24 out. 2007, Resende, RJ. Anais... Resende: Associação Educacional Dom Bosco, 2007. p. 1-15.

BACARJI, A. G.; SAUER, L. A atuação das organizações da câmara setorial da cadeia produtiva do leite na garantia da qualidade do produto em Mato Grosso do Sul. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, MG, v. 13, n. 2, p. 201-13, 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Marco referencial para apoio ao desenvolvimento de territórios rurais. Brasília, DF: MDA, 2005a.

______. Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Referências para uma estratégia de desenvolvimento rural sustentável no Brasil. Brasília, DF: MDA, 2005b.

BÜTTENBENDER, P. L. Arranjos institucionais, cooperação e desenvolvimento - redes econômicas, tecnológicas e sociais: sementes do desenvolvimento agregando valor. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2010.

COSTA, A. B.; COSTA, B. M. Cooperação e capital social em arranjos produtivos locais. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA (ANPEC), 33., 2005, Natal, RN. Anais... Natal, RN: ANPEC, 2005.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Pecuária Sudeste. Projeto Balde Cheio: tecnologias que agregam valor à produção de leite. 2011. [Folder]. Disponível em: <http://www.cppse.embrapa.br/sites/default/files/principal/publicacao/baldecheio0712.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2016.

INOVAÇÕES tecnológicas na produção leiteira são apresentadas a agricultores familiares em Caarapó. Diário MS, Dourados, MS, 29 mar. 2014. Disponível em: <http://diarioms.com.br/inovacoes-tecnologicas-na-producao-leiteira-sao-apresentadas-a-agricultores-familiares-em-caarapo/>. Acesso em: 15 jan. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Produção da Pecuária Municipal. 2014. Disponível em: <http://ibge.gov.br>. Acesso em: 15 dez. 2016.

______. Censo Agropecuário 2006. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2009. p. 1-777.

LASTRES, H. M.M.; CASSIOLATO, J. E. (Coord.). Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Arranjos produtivos locais: uma nova estratégia de ação para o SEBRAE. Rio de janeiro: UFRJ, nov. 2003.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (SEMAGRO). Bacias leiteiras no MS. [s.d.]. Disponível em: <http://www.semagro.ms.gov.br/camaras-setoriais/camara-setorial-da-cadeia-produtiva-do-leite-de-mato-grosso-do-sul/>. Acesso em: 31 ago. 2017.

MICHELS, I. L. et al. Estudo das cadeias produtivas de Mato Grosso do Sul: leite. In: MICHELS, I. L. (Coord.). Estudo das cadeias produtivas de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: Oeste, 2003.

NORONHA, E. G.; TURCHI, L. Política industrial e ambiente institucional na análise de arranjos produtivos locais. Brasília: Ipea, 2005.

PAES, F. Assentamento modelo na produção leiteira ganha patrulha e kit de irrigação, ordenhadeira e resfriador. Região News, 27 jan. 2014. Disponível em: < http://www.regiaonews.com.br/noticias/166075/Assentamento-modelo-na-producao-leiteira-ganha-patrulha-mecanizada--Leia.html>. Acesso em: 15 jan. 2016.

______. Com balde cheio, assentado aumenta em 220% produção de leite. Região News, 9 abr. 2012. Disponível em: <http://www.regiaonews.com.br/noticias/134769/-b-Com-balde-cheio--assentado-aumenta-em-220--producao-de-leite--b-.html>. Acesso em: 15 jan. 2016.

RIBEIRO, K. A., NASCIMENTO, D. C, JUNIOR, N. F. C, MORATO, J. A. Q. Arranjo produtivo local (APL) como estratégia de potencializar as fronteiras mercadológicas do apicultor no perímetro de irrigação Senador Nilo Coelho em Petrolina-PE. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, UNEB, Salvador, v. 3, n. 2, p. 99-120, 2013.

SIMÕES, A. R. P. Contexto social e tecnológico da cadeia produtiva do leite no MS. 2009. [curso ministrado, de curta duração].

Publicado
2017-09-21