Região Norte do Brasil e sua inserção no comércio internacional brasileiro

  • Mário Sérgio Pedroza Lobão Instituto Federal do Acre
  • Alexandre de Souza Corrêa Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD.
  • Mirian Beatriz Schneider Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Palavras-chave: comércio internacional, inserção econômica, Região Norte.

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender a evolução da inserção da Região Norte do Brasil no comércio exterior brasileiro entre o período de 2006 a 2015. Como procedimentos metodológicos, foram utilizados indicadores de transações comerciais de compra e venda da região com o resto do mundo, como o Índice de Concentração das Exportações (ICX) e Importações (ICM); Índice de Comércio Intrassetorial (ICS); e o número de setores que compõem 90% do valor total das exportações e importações. Os dados foram  coletados no Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Os principais resultados indicam pouco dinamismo regional e de inserção externa, reforçando a vulnerabilidade externa da Região Norte, como também a pouca diversificação de seus produtos, que se concentram no setor de extração mineral e em maior parte no Estado do Pará.

Biografia do Autor

Mário Sérgio Pedroza Lobão, Instituto Federal do Acre
Doutorando em Desenvolvimento Regional e Agronegócio pela UNIOESTE, Mestre em Desenvolvimento Regional pela UFAC (2015), Economista pela UFAC (2012) e Professor de Economia no Instituto Federal do Acre (IFAC)
Alexandre de Souza Corrêa, Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD.
Doutorando em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, Mestre em Geografia, Bacharel em Economia e Professor da Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD.
Mirian Beatriz Schneider, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Professora adjunta da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE/Campus de Toledo). Doutora em História Econômica pela Universidade de León, mestre em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná e graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Referências

ALVARENGA, G. L. Análise econométrica da competitividade entre Brasil e Colômbia no mercado de café arábica. 2015. 90 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, MG, 2015.

ASSOCIAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL (AEB). Radiografia do comércio exterior brasileiro: passado, presente e futuro. Documento online, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://www.aeb.org.br/userfiles/file/AEB%20-%20Radiografia%20Com%C3%A9rcio%20Exterior%20Brasil.pdf>. Acesso em: 22 jul. 2016.

BAUMANN, R. Brazilian external sector so far in the 21st century. Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília, v. 53, n. especial, p. 33-53, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbpi/v53nspe/v53nspea03.pdf>. Acesso em: 8 jul. 2016.

BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Estatísticas de Comércio Exterior. Brasília, DF, 2016. Disponível em: <http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior>. Acesso em: 10 jul. 2016.

______. Decreto-Lei n. 288, de 28 de fevereiro de 1967. Brasília, DF, 1967. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0288.htm>. Acesso em: 22 jul. 2016.

COUTINHO, E. S. et al. De Smith a Porter: um ensaio sobre as teorias de Comércio Exterior. Revista de Gestão USP, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 101-113, out./dez. 2005.

GORDON, j. L.; GRAMKOW, C. L. As características estruturais da inserção externa brasileira e suas principais implicações – 2000/2010. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 6, n. 9, p. 93-118, jul./dez. 2011.

Greenaway, D.; Milner, C. What Have We Learned from a Generation’s Research on Intra-Industry Trade? Research Paper Series, University of Nottingham, 2003. Disponível em: <http://www.nottingham.ac.uk/gep/documents/papers/2003/03-44.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2016.

KRUGMAN, P. R.; OBSTEFELD, M. Economia internacional: teoria e política. 6. ed. São Paulo: Pearson, 2005.

LACERDA, A. C. A inserção internacional brasileira. In: Bielschowsky, R. et al. O desenvolvimento econômico brasileiro e a Caixa: palestras. Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado para o Desenvolvimento/Caixa Econômica Federal, 2011. p. 43-48. Disponível em: <http://www.centrocelsofurtado.org.br/arquivos/image/201109261240050.LivroCAIXA_C_0.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2016.

______. Investimentos diretos estrangeiros e políticas de desenvolvimento. Revista Administração em Diálogo, São Paulo, n. 05, p. 11-18, 2003.

MEDEIROS, C. A.; SERRANO, F. Inserção externa, exportações e crescimento no Brasil. In: FIORI, José Luís; MEDEIROS, Carlos (Org.). Polarização mundial e crescimento. 1. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. v. 1, p. 105-135.

MELO, M. C. P de. Comércio exterior da Região Nordeste na esteira do “Efeito China”. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, CE, v. 44, n. 2, p. 453-474, abr./jun. 2013. Disponível em: <http://www.bnb.gov.br/projwebren/Exec/artigoRenPDF.aspx?cd_artigo_ren=1374>. Acesso em: 20 jun. 2016.

______. Inserção internacional da Região Nordeste e a dinâmica do comércio exterior brasileiro nos anos recentes. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, CE, v. 38, n. 4, p. 583-601, out./dez. 2007. Disponível em: <http://www.bnb.gov.br/projwebren/Exec/artigoRenPDF.aspx?cd_artigo_ren=1063>. Acesso em: 15 jun. 2016.

PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

RICARDO, D. Princípios da economia política e tributação. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Coleção Os Economistas).

SARQUIS, S. J. B. Comércio internacional e crescimento econômico no Brasil. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 2011. 248 p.

SCHNEIDER, M. B.; ARAÚJO, R. H. Balança comercial agrícola paranaense: conjuntura pós-crise financeira de 2008. Revista Orbis Latina, v. 4, n. 1, p. 185-201, jan./dez. 2014.

SILVA, J. L. M.; MONTALVÁN, D. B. V. Exportações do Rio Grande do Norte: estrutura, vantagens comparativas e comércio intra-indústrial. Revista de Estudos Regionais, Piracicaba, SP, v. 46, n. 02, p. 547-568, abr./jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/resr/v46n2/v46n2a10.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2015.

SILVA, D. B. L. O impacto da abertura comercial sobre a produtividade da indústria brasileira. 2004. 42 f. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) – Escola de Pós-Graduação em Economia - Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2004.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre a natureza e suas causas. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Coleção Os Economistas). Originalmente publicado em 1776

SUPERINTENDÊNCIA DA ZONA FRANCA DE MANAUS (SUFRAMA). Zona Franca de Manaus: história. Manaus, AM, 2016. Disponível em: <http://www.suframa.gov.br/zfm_historia.cfm>. Acesso em: 22 jul. 2016.

VILLA VERDE, R. B. R.; ALAMINO, R. C. J.; FERNANDES, F. R. C. Os desafios da extração mineral na Região Norte em prol do desenvolvimento socioeconômico. In: FERNANDES, F. R. C.; ALAMINO, R. C. J.; ARAUJO, E. R. Recursos naturais e comunidade: impactos humanos, socioambientais e econômicos. Rio de Janeiro: CETEC/MCTI, 2014. p. 13-21. Disponível em: <http://mineralis.cetem.gov.br/bitstream/handle/cetem/1729/Livro_Recursos_Minerais_E_Comunidade_FormatoA4_em14_outubro_2014.pdf?sequence=1>. Acesso em: 22 jul. 2016.

Publicado
2017-05-30